Um tanto...

Vorazmente a roupa era espalhada pelo chão, o desejo entrara pelo corpo daqueles dois amantes, naquela casa com cheiro a mar e areia sob o soalho. Ouvia-se ao longe o barulho das gaivotas em tempo de agitação e, naquele quarto, entre quatro paredes, o desejo era saciado em beijos roubados e suaves mordidas sussurrantes. Pedia-se mais, mais de um tempo vivo, escorrido por entre os dedos que se entrelaçavam em espasmos de prazer de um querer tão simples. Olhando nos olhos um do outro, tocando na pele bronzeada e com sabor a sal, falavam em gestos mudos de uma cumplicidade perceptível no desejo daqueles dois seres. Passados e presentes, nada contava, nada era contemplado, o tempo não existia e os minutos eram músicas silenciosas irrompidas pelos batimentos acelerados de uma partilha apenas sua. Gritos súbitos, pele moldada pelos dedos que seguravam firmemente um outro corpo, que o juntava a si, que os unia apenas num acto tão natural como o sentimento nutrido pelos dois. O vinho acompanhava aquela noite, o sabor era intenso e deslizava pela garganta, misturando-se a um travo doce de morangos e chocolate que serviam de calmante a um fugaz momento de intenso viver. Foi então que as luzes se apagaram, que o quarto ficou apenas iluminado pela luz da lua que incidia sobre a janela do quarto, eles, em silêncio, fizeram as suas promessas de amor, confessaram sonhos tão seus e, fechando os olhos, deixaram-se ir pela corrente fresca que vinha da rua. Sentiram amor, naquela noite fizeram amor num bailado de riscos cometidos, de medos perdidos, de sentimentos proferidos, de uma agitação tão real que dá significado a um amor tão intenso, a um amor tão carnal…


Tanto se perde, tanto fica, ela sorrindo, ainda com a camisa dele vestida, ali ficou, adiou o tempo, ficou para cá do Tejo, despediu-se dele com um beijo...


Comentários

  1. É impossível ler os seus textos e não nos sentirmos dentro deles. É extraordinário. Os meus sinceros parabéns!

    ResponderEliminar
  2. É muito bom saber isso, muito obrigada! Voltarei também com toda a certeza :)

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Obrigado Gil,

      Se tiveres algum blog deixa por aqui o link para eu fazer uma visita.

      Abraço

      Eliminar

  4. É nestes momentos menos bons que temos uma certeza inabalável de que sim, vale a pena. Se nos resgata a humanidade, a parte de nós que sente, que ama, que quer ser melhor, então vale a pena. Se nos faz levantar e redescobrir de novo as cores com que podemos colorir a nossa vida então vale a pena. Se estamos dispostos a cuidar e a retribuir o que nos dão, sempre. Então vale a pena :)
    Amar vale muito a pena, ainda que tantas vezes caia no erro de pensar que não :)


    ahh e eu acredito mesmo na completude. É possível ser-se feliz e completo.
    Como um dia me disseram : "um é nada, dois são tudo"
    bjinho

    ResponderEliminar
  5. Hope so, hope so :)

    Eu disse que me ia esforçar e vou mesmo! Aliás já me ando a esforçar.. mas é diferente eu sei :)

    Ty pelo apoio. bj

    ResponderEliminar
  6. Excelente!! Escreves sempre com sentimento, com alma, escreves o que sentes, não o achas que devas ou não escrver, para parecer bem ou mal. Escreves o que te vai no coração. Admiro a todas as tuas descrições, promenores, cria o texto mágico e belo. Sou franca, é um vicio vir aqui, ver o que escreves te, é sempre uma novidade, uma supresa. Escreves muito bem, como já te tinha dito, espero que assim o continuas. Um beijinho de boa noite

    ResponderEliminar
  7. Lindo texto de Amor.. Aonde no transpirar da paixao, o desejo a paixao se fundem em uma linda sinfonia !! Bjim

    ResponderEliminar

Enviar um comentário