Um nós...


Beijava-te a pele salgada, naquele dia de sol, naquela praia de finas areias em que refugiávamos os sonhos sonhados a dois, os caminhos traçados num futuro semelhante. No sorriso das ondas entregávamo-nos um ao outro e deixávamo-nos guiar pela brisa fresca que o nosso rosto tocava. Em segredo, confessava-te o amor que o meu coração detinha, esta força voraz que cresceu em mim, que agarrou-me numa mistura de emoções, num desejo eterno de ter-te a meu lado.

São momentos vividos, instantes simples que formam a simplicidade de uma história verdadeira, de um amor que vai para além da distância de dois corpos e nunca de duas almas. Ruas percorridas, percorridos os passeios de pedras e calçadas que retratam os padrões de atalhos por nós não seguidos. Conheço cada traço do teu rosto mas, mais que tudo isso, conheço cada linha do teu ser, cada brilho do teu olhar, cada sorriso do te querer.

Por entre os raios de sol, por entre as sombras dos rochedos, sei que te sinto, que te sinto em mim e que tu me sentes em ti mesma, formando um nós, um nós tão difícil de desatar. Destinos cruzados, olhares trocados e numa mistura de palavras, eu digo-te que – “São os dias que formam em nós a maturidade de um sentir, mas não são esses mesmos dias que fazem de nós quem somos, não são os dias que nos levam pelos caminhos desta vida. O que nos forma, são as escolhas que temos, os sonhos que sonhamos, a força que nas mãos detemos e a capacidade de vermos para além do que tantos não vêem. Eu ,eu, apenas te vi a ti e, com isso, os oceanos viraram apenas rios, os rios apenas riachos, os riachos pequenos cursos de água e, então, a distância é sanada pelo verdadeiro sentimento que por ti tenho.” Foram palavras que ficaram, um silêncio inteligível que os nossos corpos apreenderam e, num beijo, num beijo revivemos a emoção de um primeiro encontro, a adrenalina de um primeiro tocar, viveu-se muito mais que um primeiro amor, que uma segunda paixão, viveu-se um amor de verdade, e amores de verdade não se contam, guardam-se em nós, cuidam-se na simplicidade e prolongam-se no tempo...


Simplicidade, verdade, intensidade...


Comentários

  1. eu beijava-te a pele se o sol nos acolhesse. Se a chuva viesse beijava-te na mesma as faces :) és um dos meus homens preferidos*

    ResponderEliminar
  2. Adoro a imagem....

    O teu texto tem uma pecularidade. Não te sei bem expresar por palavras qual, mas talvez seja a descrição, os sentimentos aqui narrados, a verdade de todas essas emoções. Guarda esse nós como um nó dentro do teu peito e nunca o desates. :) *

    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário