A verdade do que chamam amor...


Nunca haverá palavras que explicam o amor, nunca as letras substituirão os gestos e nunca as frases poderão exprimir o que se sente, o que se almeja em momentos vividos com sentimento. Nada se explica, por mais que fujas há um dia em que dás por ti a amar, a sentir, a rir ou até mesmo a chorar. A vida é mesmo assim, não queres mas acabas querendo, estranhas mas depois entranhas tudo tornando a tua história diferente do que conhecias anteriormente. Passas a sonhar mais, a ficar noites em claro imaginando aquilo que nem tens, ficas suspenso(a) numa mistura do que queres ver real e do que preferes que seja platónico. Surgem, assim, aquelas dúvidas, aqueles enganos e desenganos que te vão empurrando e que tantas vezes consideras erros. Falhas, arrependes-te, dás de ti e nem recebes nada, depois cais, cais e dizes o amor é uma “merda” que as pessoas são todas iguais, que tudo não passa de histórias que nem sequer existem. Após tudo isso passar, daquela raiva se dissipar, voltas a acreditar no amor, voltas àquele ciclo repetitivo que te faz retomar a ser insane, que te faz voltar a viver aquilo que tanto dizias já não querer viver. Somos humanos, somos assim, vivemos fugindo mas somos sempre apanhados na curva, nunca haverá palavras para explicar o amor mas ele, ele, saberá sempre onde te encontrar...


Muda e tudo muda, porque háuda e tudo muda, porque  um momento na vida em que a necessidade de reconstruir um novo caminho é bem maior do que insistir num passado perdido...




Comentários

  1. O Amor não se explica..sente-se com toda a nossa essência! Beijinhos.. gosto muito de passar por aqui! :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário