O teu dia de avançar...


Quantas vezes dás por ti a sonhar? Quantas vezes ficas acordado(a) até tarde relembrando cada sorriso, admirando cada pormenor que, para os outros, é imperceptível mas para ti faz toda a diferença? Quantas vezes sorris apenas com uma simples imagem ou até mesmo com uma música que te faz lembrar? Quantas vezes? 
É nestas alturas que vemos que estamos vivos, que o amor entra em nós, percorre este nosso corpo desencadeando uma série de emoções que antes pareciam tão adormecidas. Começamos a dormir menos, a adormecer com um sorriso no rosto e a acordar com a lembrança daquela pessoa, daquele olhar, daquela forma de ser. Nesse momento começas a gostar, a sentir, mesmo sem quereres que o amor cresça, na verdade, não o podes parar, não o consegues diminuir, porque o amor entra em ti mas tem vida própria. Quando se fala destes assuntos do coração, a razão é posta de lado, pensar de mais faz viver de menos e, por momentos, é bom sermos insanes, termos aqueles momentos de insanidade que nos façam arriscar, que nos façam dar o primeiro passo. Podemos ganhar, perder, ficar ou nem sequer mais ver mas, no amor, é mesmo assim, tudo tem imprevisibilidade e é isso que nos torna mais atractivos,  é isso que nos leva a uma adrenalina que, por vezes, nos tira até a própria voz. 
Vivemos num mundo em que o amor é tão esquecido, banalizado em discursos de gente pequena pensando ser grande ou de pessoas que apregoam ser o que na realidade não são. Sempre que encontrares um amor, um amor simples, humilde, um amor em que não são precisas palavras, em que o tempo dita o caminho, agarra-o, junto a ti, porque bem pode ser o amor que tanto esperavas, aquela história que tanto sonhavas. O amor não é feito de grandes coisas, de grandes promessas, de grandes demonstrações, um amor de verdade, reside naquelas duas pessoas, alimentam elas mesmas e não é preciso alimentar mais ninguém nem as vozes de uma multidão que não possui vida. São gestos fortes que me cativam, pessoas decididas, pessoas que têm consigo um mistério e não uma banalidade que lhes mistura no meio de tanta gente. Eu gosto de falar de amor, de o sentir, gosto de respirar todas estas linhas, porque ao acreditar vou avançando, ao acreditar vou ainda sabendo sonhar. E tu? Tu sentirás o amor em ti? Ou esperas que o momento chegue sem nada fazeres?




Se na tua mão tiveres tudo, lutas ou não fazes nada?


"Say those words,
Say those words like there's nothing else..."


Nunca é tarde se o que sentimos é tudo, temos de saber dizer, temos de saber lutar, hoje tenta-se, amanhã vive-se. Sejam felizes :) 

Comentários

  1. Gostei muito de te ler, como sempre tocas em assuntos reais, onde o Amor é personagem principal...

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. oh, o quanto me identifiquei com este texto. Hoje este teu texto está especial, para mim! E também gostei das imagens e o que elas transmitem.

    Um beijinho* :)

    ResponderEliminar
  3. Desta é que é : o teu post mais bonito.
    Amo, amo, amo! Tudo. As palavras, as imagens.
    Especialmente a 2ª e 3ª.
    Hoje estou wild, por isso desculpa-me a linguagem, mas..
    O Amor (com A grande, que é como deve ser) é DO CARALHO! ;)
    E sim.. a distância não significa nada, o que os outros dizem n vale nada.. O mundo n interessa para nada, só o NOSSO mundo. Por isso sim há que lutar, todos os dias, senti-lo, ao máximo e .. que se Foda o mundo, vamos é ser felizes, certo? :)
    bjinho*

    ResponderEliminar
  4. Consigo ver-me no texto. Consigo, agora que já li e reli, pensar "eu faço isto, eu vivo o amor, eu aproveito cada momento" e isso, vindo de um texto teu, faz-me bem. :)
    A musica é perfeita. :)
    E respondendo à pergunta, tenha tudo ou nada na mão, a unica soluçao é lutar.

    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Olá! :)
    Antes de qualquer coisa, quero pedir imensas desculpas por andar meio desaparecido, mas tu já sabes... (da minha vida, não interessa estar aqui a lamentar-me).
    Hoje, farto de uma série de coisas, resolvi parar tudo e fazer umas visitas especiais, aqui na blogoesfera! (como não podia deixar de ser, tinha que cá vir, pois as saudádes de ler os teus textos eram mais que muitas!).
    Quando o li este post, li como se tivesse alguém a falar para mim. E pensei que fosse do meu estado de espírito (pois sinto necessidade de falar com alguém sobre "parvoíces da minha vida"); mas depois ao ler alguns dos comentário, vejo que este sentimento não foi único!
    E por isso tenho que te dar os meus parabéns, pois conseguis-te escrever um texto que parece que fala connosco e que consegue entrar pela mente a dentro.
    E se foi esse o objetivo, tentar escrever algo que encaminha-se as pessoas para um destino que entendo que, pessoalmente, é o correto; acho que o conseguis-te.
    (fazendo um bocado de papel de mentor e aprendiz) Mas comigo, pervalece uma espécie de medo (se é que existem diferentes tipos e espécies de medos!); que me diz para não me deixar levar e apaixonar, pois parece que sinto que já não sei o que realmente quero. (se calhar tenho que me decidir!)
    Felizmente esse medo não me provoca existação, nem faz com que não avance "no palco da vida", mas "nos bastidores", a história é outra (é como se fosse tratada uma batalha interna).
    (chega de falar de mim!)

    Não sei quando voltarei aqui para ler mais uma das tuas "lições" (um bocado como eu as vejo e gosto de pensar, pois é nelas que venho buscar parte da minha inspiração e obtenho linhas de orientação, para progredir neste mundo).

    Um forte abraço! :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário