Complementaridades...


Escarlate este meu coração flamejante,
Eira de mil sois depositados no puro linho de uma cama de cor carmim,
Voraz vontade acobreada de sorrisos envergonhados em lençóis encarnados,
Vida entregue às epopeias audazes de corpos despidos.
Veementes confissões deitadas ao silêncio da voz humana,
Incertezas contrastantes em pinceladas de vida corrente,
Crepúsculos de espectros passados, aprisionados a um momento intemporal,
Retratos vivos de uma vida coabitada, repartida entre o sonho e o real.
Homem sedento de vida em prosas escritas,
Orgânicas palavras que expressam uma voz invulgar,
Sonhos vivos em moradias que não possuem direcção,
Dedilhar de teclas de um piano que repercute o que emana do coração.
Confissões silenciosas voláteis num olhar penetrante,
O tremor do corpo, a emoção espelhada em toques momentâneos,
Destino escrito à media luz do clarão de um dia,
Crenças erigidas numa dualidade de tenção e fantasia.
Paixão crescente em linhas minimalistas de uma arte barroca,
Pinceladas de vida aclamando o nome de um só ser,
Escolhas contidas em reacções momentâneas de uma partida,
São somente recordações esperando um dia avolumarem-se de vida...




Comentários

  1. Adorei! As recordações também alimentam a Vida e o Homem... :)

    Um beijinho André :)

    ResponderEliminar
  2. Sou da opinião de que é um desperdício de vida viver uma "vida corrente" quando se pode viver algo único.

    ResponderEliminar
  3. Adoro a imagem. Como sempre um escrita só tua. Uma escrita invulgar e sincera, cheia de sentimentos.

    E sim, mas não deixa de estar diferente (mas sempre Teu) :)

    Beijo *

    ResponderEliminar
  4. Sabes, nestes teus textos, com a musica a acompanhar e sempre muito bem escolhida, eu consigo flutuar. Não é voar nem sonhar, é flutuar... é de uma leveza extrema ler-te. :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário