Outono Intermitente...

Andamos trocamos, perdidos, achados,
Entre ruas e ruelas, esquinas, vielas,
Respiramos este ar, mergulhamos neste mar,
Sentimos o calor, vivemos este amor.
Repartimos sabores, sonhos, amores,
Entre rios e baías, oceanos, travessias,
Navegamos neste mar que nos faz avançar,
Abrimos os olhos para viver, para fazer acontecer.
Voamos paisagens, sonhos, miragens,
Entre querer e ficar, amar, lutar,
Somos apenas errantes, desejos começantes,
À média luz de uma paixão que nos tira a razão.
Esperamos consequentes, pacientes, eloquentes,
Entre pétalas e flores, desejos, sabores,
Aguardamos o momento que vai para lá do firmamento,
Somo a continuação de um querer, a prova de um saber.
Olhamos vendo, sentindo, querendo,
Entre sons e fantasias, prosas, poesias,
Instantes em que te espero, distâncias que desespero,

É a confissão de um amor diferente, de um amor permanente...




Comentários

  1. Quando um querer vem dum saber há muito implantado, todo o firmamento se une em cumplicidade. E findo com este pensamento oriental
    "Existe uma linha vermelha, invisível aos olhos, que conecta todos os que estão destinados a se encontrar. E não importa o tempo, o lugar ou as circunstâncias. Esse fio pode ser apertado, ou emaranhado, mas nunca rompido."
    De Melro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uau, muito bom esse pensamento, fiquei deveras surpreendido como uma frase transmite uma vivência inteira. :)

      Eliminar
  2. Este pensamento é para reflectir. Vivemos e perdemos muito tempo em ruas e becos sem fim. A filosofia oriental é um verdadeiro tesouro e quando nos centramos em nós, no nosso interior, passamos a ter uma visão muito diferente da exterior. Palavras sábias que transmitem muito para além da realidade que vivemos. :)
    Melro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo completamente, tantas vezes vivemos naquele momento, naquela ansiedade de uma imagem pré-estabelecida e não vemos o que nos rodeia, o que nos ateia o que, verdadeiramente, faz toda a diferença.
      O "nosso" grande mal é não ver, não parar para sentir e não esperar o momento certo, mas será que saberemos nós que o momento é certo? Acredito que há coisas que não precisam vir escritas, que não precisam vir rotuladas, há coisas que se sentem e essas, sem qualquer dúvida, são as melhores :)

      Eliminar
    2. A ansiedade é o nosso pior inimigo. tantas vezes que temos medo de ser magoados que acabamos por criar capas para nos defender. E com isto, criamos imagens pré-concebidas. os receios tapam-nos a visão. Se aprendermos a ouvir-nos saberemos se o momento é certo. O que sentimos e a forma como os gerimos é fundamental para que tudo se encaminhe e vá para o porto certo. Marcamos a diferença quando nos viramos para dentro de nós, agimos segundo a nossa intuição. Todos os dias nos reconstruimos. Basta que para isso, não nos agarremos à ansiedade ou ao desespero. Dar novas oportunidades a nós para que possamos dar aos outros e só assim, conseguiremos encontrar a harmonia e a paz e o amor há tanto esperado.
      Beijnho
      Melro

      Eliminar
    3. É isso mesmo, a intuição revela-nos bem mais do que aquilo que tentamos procurar justificação plausível.
      Quanto às nossas oportunidades que damos a nós mesmos, são essas, que nos mostram a multiplicidade de caminhos existentes e que estão prontos para que nós os sigamos. O erro surge é claro mas, é com ele, que aprendemos que, na vida, as melhores escolhas são aquelas feitas por nós e nunca pelas "vozes" de um outro alguém.

      Um beijo :)

      Eliminar
  3. Pois, quanto mais procuramos justificações plausíveis mais emaranhados andamos na confusão. Aceitar o que nos apresenta e seguirmos a nossa própria orientação. E concordo, que a partir do momento que ouvimos a nossa intuição são apresentados multicaminhos à nossa frente. Mas, com um objectivo, encontrar o certo. Errar é humano e servem para crescermos. Tantas vezes que nos perdemos nesta massa densa que habitamos, que por vezes temos "as vozes" de alguém para nos orientar. Tal como um "pai" que não gosta de ver o seu filho cair e magoar-se. Porém, como seres pensantes e inteligentes que somos, um verdadeiro pai, respeita a ida do seu filho, deixa-o cair mas, está sempre ali para o levantar e acarinhar. E acabamos com as quedas sucessivas por aprender que as melhores escolhas serão sempre as melhores e perfeitas para o nosso caminhar. E dai, ser muito importante as oportunidades. Sejam elas para nós e para os outros.
    Beijinho
    Melro :)

    ResponderEliminar
  4. Só me esqueci de dizer uma coisa: desejo e pensamento são energia. E a energia é ação e quando se conjugam num equilíbrio perfeito o Universo responde aos nossos apelos e ajuda-nos.
    Beijinho
    Melro:)

    ResponderEliminar
  5. gostei muuuito :) um beijinho quente meu principe *

    ResponderEliminar

Enviar um comentário