Poema de palavras vivas...


Prosa, promessa, folha rasgada,
Coração, sentimento, no meio de nada,
Fracções de segundos naquela mesma estrada,
São horas vividas, numa vida abonada.

Canção, melodia, voz de outrora,
São corpos despidos fazendo histórias,
Sou narrador de vidas, relembro a memória,
Depois de tantas lutas chega o dia da vitória.

Poemas escritos, espalhados no ar,
Fotografias de pessoas em frente ao mar,
São retratos vivos de quem sabe amar,
Narrador de vidas, pedaços de sonhar.

Espera contida numa vontade de ter,
Entre dias e noites que passam a correr,
É uma vontade incontrolável de te ver,
Numa chegada sem partida, num risco que não tem nada a perder.

Amores sentidos, sabores presentes,
Caminhos de vida que se querem contentes,
São vontades de ter em nós presentes,
Uma vida pela frente, em sois poentes.

A hora é a mesma e a tua presença aqui é aclamada,
Pela voz da minha alma que te quer sem mais nada,
São os olhares cruzados à distância apagada,
Encontamo-nos as sete, porque essa, é a hora da tua chegada...


Almejo a chegada do mar, porque lá, lá sei que te vou encontrar...


Comentários

  1. Muito obrigada pelas tuas palavras *
    Maravilhoso!

    ResponderEliminar
  2. A ultima quadra sem as outras nada era, mas é a minha preferida. :)

    Quanto ao traje, a tuna muda um pouco o traje "normal" da universidade e não é por ter estudado lá mas acho mesmo que é o traje mais bonito que existe em portugal. Pela diferença que marca. :)

    ResponderEliminar
  3. Incrível! Amei! (:

    ''Poemas escritos, espalhados no ar,
    Fotografias de pessoas em frente ao mar,
    São retratos vivos de quem sabe amar,
    Narrador de vidas, pedaços de sonhar.''

    Lindo isso... Perfeito o poema! Parabéns!
    Beijão, até logo! ;*

    ResponderEliminar
  4. Lindo demais este poema... Adoro ler poemas assim, obrigada por partilhares estas doces palavras.

    Beijinhos, aqueces o coração de quem te lê.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário