"Amo-te! Sem ter medo de um dia... perder-te."

Sinto-me muito para além do meu corpo... deste meu coração que grita por ti,
Que se esquece de toda a dor que um dia sentiu. E entrega-se... a tudo aquilo que me fazes ser.
Amo cada recanto do teu corpo, tudo aquilo que me fazes ser, que me fazes sentir.
Todos os sorrisos que me recordo - sempre que me deito sobre um manto de saudade.
És a minha maior verdade, o destino que se enlaça nos nossos corpos, na nossa pele que se despe, 
No desejo de sermos muito mais... do que simples errantes.
Sinto-te em cada batimento. Neste sentimento ardente, nesta falta que me causas sempre que estás distante.
Por mais que te procure... sei que só te encontro dentro de mim, dentro de tudo aquilo que é tão nosso, dentro de cada segredo que repartimos (em plena loucura).
Somos a ternura, a carne que vive o desejo, o beijo em que nos damos, os olhares em que nos perdemos.
Somos muito mais do que um eterno sentimento, do que o amor que vive em cada expressão,
Em cada cama em que nos entregamos à paixão - em que somos tão livres, tão selvagens.
Sinto-te em cada silêncio.... 
Sempre que me deito sobre o teu peito, sempre que te amo sem qualquer pudor.
Nós... somos amor, um grande sentimento que nos faz pedir mais, que nos rompe com os "ais", que nos leva à vida no expoente do seu próprio querer.
Seremos sempre o que tiver de ser... o porto-de-abrigo dos nossos próprios sonhos. A roupa que se espalha pelo chão. Uma casa em que guardamos tudo o que vivemos, uma viagem em que nos largamos no mundo.
Sinto-te sempre... e é isso que me faz sentir tão teu... 
Que me faz sentir tão nosso...
Que me faz amar-te... sem ter medo de um dia...
Perder-te....



Comentários

Enviar um comentário