"O Grito"

Somos palavras de uma vida vivida, vencida pela saudade de nos ter no meu corpo.
És a adrenalina da minha emoção, a excitação da delinquência…
Das palavras que te profiro - no silêncio do meu olhar.

Peço-te que me arranques o âmago… em gritos alados, revirados em prosas desditas,
De temores rompidas - em NADA!

Somos a chegada, a vontade de querer – o corpo, a pele, o peito,
Em cada sentimento refeito (rendido aos teus encantos – mais subtis).
Arranca-me o medo…
Do desconhecido,
Da morte,
Dos meus fantasmas.
Enfeitiça-me em sentimentos nobres e envolve-me… no teu abraço.

Fica no meu peito, neste que explode em desejos,
Em vorazes beijos - que osculo em vontades.
Faz de nós insanes e…
Tão bom é ser louco,
Delinquente, alienado, 
Em amor,
No nosso amor.

Amor… deixa-me ser livre – a teu lado.


Comentários

Enviar um comentário