Mesmo antes de ires...

Perde-te mais umas horas, fica no meu abraço, debaixo do calor das mantas que nos cobrem os corpos, que nos unem numa tarde de Novembro. Fica no meu abraço, envolta num misticismo tão chamativo, nesta vontade que tenho de ser o teu homem, sem tempos, sem intervalos, sem momentos. Fica somente a olhar nos meus olhos, num silêncio cúmplice que surge depois do prazer, depois de um encontro esperado que nem panificado foi. Faz-me desejar-te ainda mais, faz-me ter-te nas minhas mãos, tornando-te minha, fazendo-te livre. Fica mais um tempo, cobre a tua nudez com os lençóis amarotados pelo tempo gasto ali, pelos segundos partilhados em que ficaste, em que te faço acreditar. Antes de ires, leva-me contigo a um lugar qualquer, lá farei de ti a minha mulher e, o resto, fica por acontecer porque não sou muito de idealizar. Quebra comigo mais uma barreira, parte depois que eu, eu, não esqueço quem faz parte de mim. Dá-me mais sinais, mais actos banais ao olhar de tanta gente mas que fazem, de nós, uma combinação de códigos e dialectos próprios, daqueles que nos convidam a voltar. Perde-te mais um pouco, a noite começa a cair e, as luzes desta vila, já iluminam a vidraça deste quarto, fica mais um pouco, neste sentimento louco que sou incapaz de descrever.  Depois de vermos o mar e de seguires rumo a um outro lugar, ficamos sempre juntos por esta vontade de ser, por este nosso querer, em que eu e tu somos nós, um nós tão difíceis de desatar...



Sempre que as palavras faltam, somos letras, letras rabiscadas num caderno nosso, presentes em cada minuto do meu dia...

Comentários

  1. Hoje, o meu comentário vai fugir ao contexto do teu texto. Infelizmente, os seres humanos estão programados para dar valor às coisas ou pessoas, quando as perdem. Não deveria ser assim mas, esta é a pura da verdade. Quando estão bem e quando imaginam aquele “quase que sabem” o que ambicionam na vida, fazem promessas com lindas palavras, quando deixam as dúvidas ou confusões instalarem-se o outro lado é tratado com desprezo e desdém. Dão ouvidos a vozes exteriores em vez de darem ouvidos ao seu coração e assim, vão repudiando e mal tratando, arranjado desculpas esfarrapadas e agarrando-se a medos infundados. Tudo na vida tem um tempo para plantar, amadurecer e colher. Se o ego, escolhe não apressar em vez de colher o que já está maduro e pronto a colher, inventando para si que apressar é um dos caminhos para a dor e desilusão. Para mim e segundo a minha experiência, ainda vai ter um longo caminho a percorrer até atingir a maturidade e saber com todas as forças aquilo que quer e lutar pelo que tanto almeja. Porque, a linha que separa um eu gosto de ti e da eu amo-te, é muito grande.
    Bom fim-de-semana
    Águia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo há uma grande linha que separa o amo-te do eu gosto de ti. Quanto ao darmos valor ao que temos, somente, com tempo é que o valor adquire. Ninguém obriga ninguém a lhe amar e, da mesma forma, ninguém é obrigado a amar um outro alguém só porque a pessoa assim o quer.
      Mais vezes o problema não é desdem, o problema é que a pessoa faz de tudo para mostrar que não sente, é a outra pessoa não entende isso.
      Quanto ao amor, tudo tem um tempo e o que tiver de ser será sem pressas, sem promessas e sobretudo sem coisas forçadas

      Bom fim-de-semana.

      Eliminar
  2. Dré, depois de tanto tempo longe daqui ainda me surpreendes. Continuas o mesmo com as palavras, o mesmo homem lindo e genuíno. Cada vez melhor. Adoro(-te)!

    ResponderEliminar
  3. Gostava de saber se tens alguem onde te inspiras a fazer estes textos. A tua forma de escrfver é como se vivesses esses momentos. É bom ver que exixte um homem que nao tem medo de mostrar o que sente!beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário