Aquele mesmo olhar...

Toque, sentia-se o toque de dois corpos que se despiam, que se fundiam, num oceano de desejo, num areal extenso da paixão que tivera chegado. Embrulhados um no outro, sob a luz do luar, naqueles beijos rasgados, abraços apertados, gemidos calados, confessavam o tempo, paravam os relógios. Gritos mudos entendidos por dois olhares, dois amantes, um só lugar, um coração cravejado de tatuagens de um amor maior. O cabelo molhado era sentido, numa noite fria aqueciam-se ali, no sabor salgado da pele arrepiada, no pedir de mais, de um mais que ambos saciavam no silêncio de uma noite tão deles. Os quilómetros os tiveram arrastado para aquele refúgio que antes desconheciam, seguiam os passos de um querer, sem cobrar no dia seguinte, sem projectar em cima de um momento partilhado. Ambos sabiam que era no secretismo daquele encontro que residia a adrenalina que lhes corria nas veias, que eram naqueles beijos ora roubados, ora envergonhados que, os dois, se entregavam ao prazer sem culpas, sem moralismos, sem barreiras. Eram loucos e continuaram a o ser, preservam a liberdade no seu íntimo e, é nele, que se cruzam, que se tocam mesmo sem se tocar. Acasos de uma vida que não acredita no próprio acaso que cria, são linhas cruzadas em que se cruzam histórias que se complementam sem explicação. O prazer carnal ocupa a centralidade de todo este viver ou então o sentimento deixa-se acontecer e surge um segredo apenas deles, no luar que lhes ilumina o rosto, naquela noite que lhes traz a misticidade de um amadurecer que lhes tirou o medo de arriscar. Debruçados um sobre o outro, permaneceram naquele pedaço de terra que lhes serviu de colchão, naquela fina areia que lhes mostrava a vivacidade de uma paixão avassaladora, daquelas que convida a pecar, a tentar, a ficar, mais uma hora, mais uma manhã, mais um dia. Nesta forma de vida não se carece de grandes coisas porque as grandes são escutadas nas gargalhadas que sucedem o encontro, que ficam cravadas na memória, que fazem com que se volte à mesma presença, naquele lugar ou num outro qualquer...



Comentários