Um mar que me arrasta...


Poderia mentir,
Pegar na mala e partir,
Esquecer o teu rosto e outras coisas descobrir,
Poderia apenas mentir,
Poderia apenas desistir.

Poderia dizer que o amor não existia,
Que os sonhos não passam de uma eterna fantasia,
Que a noite, desconhece a luz do dia,
Poderia, apenas poderia.

Poderia deixar de ter este acreditar,
Poderia ser fraco e fugir sem lutar,
Ver sem olhar, dizer sem amar,
Poderia não saber sentir, mas nesse momento estaria a me matar.

Poderia ser igual a todos os outros,
Deixar caminhos certos e seguir pelos tortos,
Poderia deixar de sorrir com aquilo que acredito,
Mas em mim nada é utopia, nada é mito.

Poderia viver nas letras sem nada revelar,
Amar em segredo sem nunca te contar,
Poderia ser cobarde sem saber revelar,
Mas assim não sou, assim não sei amar.

Poderia ser outro e mostrar uma forma de paixão,
Entrar nos jogos de palavras sem ter nada no coração,
Mas eu não sou assim, não vivo na suposição,

Poderia não te amar, mas a verdade é que te amo com toda a minha vocação...



Comentários

  1. À imenso tempo que cá não vinha e continuas a evoluir lindamente, adoro!

    ResponderEliminar
  2. É essa tua diferença em ti que me conquista, o quanto vejo de mim em ti... :)

    ResponderEliminar
  3. é verdade :)
    não pares de escrever, aliás pensa escrever um livro, tens imenso jeito*

    ResponderEliminar
  4. Não tens que agradecer :) Acho que fazes bem!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Saudade que me tenho deste seu pedacinho.. Bom é estar aqui, nao comtemplamos o mesmo céu( fusos diferentes) e mesmo assim temos luares., mares.., sentimentos que invisivelmente a poesia nos fazem estravar em um mesmo sonhar., linda semaninha,doces inspirações., beijim

    ResponderEliminar

Enviar um comentário