Uma carta em teu nome...

Ouvia-se ao longe o barulho dos carris, era hora, hora de sairmos por aí, de sermos pássaros livres sem direcção, sem destino. Lentamente segurei a tua mão, sentia o pulsar do teu peito num sorriso que me prendia o olhar. Era hora, hora de fugirmos para um refúgio apenas nosso, para um paraíso desenhado à medida do nosso sonhar, à medida do nosso amor. Sem receios ajudei-te a subir o comboio, tinhas um vestido de cor escarlate e, no cabelo, uma flor, uma margarida que te tivera roubado de um quintal no caminho até à estação. Chamam a isso magia, uma magia que nos aliena da realidade, do betão da cidade, da falta de paixão pelas pessoas. Eu prefiro chamar sentimento, um sentimento partilhado entre melodias e palavras escritas em versos que falam de ti, que falam de nós.
Partimos, e tu, debruçando-te sobre a janela colocaste o teu cabelo ao vento, senti o aroma doce do teu perfume. Soube naquela altura que tinha feito a escolha certa, que tinha seguido o meu coração e aqui estávamos, em algo tão simples mas que nos dava tamanha felicidade. Sentaste-te, olhas-te nos meus olhos por minutos seguidos e tiras-te um caderno de dentro da mala. Eu, eu perguntei-te o que aquilo era e tu, tu respondeste que era a primeira folha de uma história nossa, de uma história escrita por duas mãos, por dois corações, por um só amor.
Foi nessa altura que pensei que toda a sorte existente no mundo estava apenas na minha mão e, chegando perto do teu banco, dei-te um beijo que perdurou na sinfonia de vontades que ambos tínhamos há tanto tempo em nós. Senti segurança, qual o homem que não gosta de sentir segurança ao lado de quem ama? Assim foi, sem mais nada, sem mais ninguém, seguimos rumo por entre o Alentejo, por entre verdes plantações em que perdíamos a noção do limite da terra. Naquela viajem fomos tão felizes, naquela viajem fomos o que nunca ninguém foi, fomos amor em estado puro.


Fugimos hoje? Para sempre?



Comentários

  1. Que encantador! Magnifico o que escreves-te, um texto sonhador, repleto de amor, paixão, sentimento. Aprecio muito os teus detalhes, descreves todos os pormenores, as cores, as mãos, o que fazes, o que ajudas, o que sentem... É fascinante, é viciante ler-te! Mais uma vez parabéns, por conseguires cativar, por conseguires escrever o que escreves tão bem. Um beijinho de boa noite

    ResponderEliminar
  2. continuas com uma escrita incrivel andré.é profunda cada palavra que proferes!

    ResponderEliminar
  3. só consigo dizer que adoro tudo o que escreves. és fantástico*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário