Lê-me, agora...

Não há nada mais simples na vida do que amar. Aprendemos a faze-lo sem ninguém nos ensinar, fugimos, tentamos esquecer, tentamos matar mas ele ali permanece, agarrado à nossa pele, como parte integrante do nosso ser. É fácil amar sim, o que complica é a mente, o medo de errar ou aquele frio na barrica que não permite que a pessoa arrisque. Passamos muito tempo a tentar criar o momento certo e esquecemo-nos de viver grande parte da nossa vida. Somos os próprias a matar os nossos sonhos, somos os próprios a criar barreiras que nos impedem de ver o mundo, que nos impendem de avançar. Queremos e calamos esse querer, sentimos mas, fica-se eternamente, na espera que outra pessoa o entenda sem que nada façamos. Contrariamo-nos, nas palavras, nos gestos, nos actos, sentimos tanto e nem conseguimos regular esse tanto para que uma história seja vivida. Queixamo-nos demais da falta de amor mas, essa falta, vem de atitudes como as nossas, de medos, de esperar pelo dia de amanhã esquecendo que, hoje, poderá ser a ultima oportunidade que temos para sorrir. Passamos ao lado da vida, ou então passamos ao lado de uma grande parte dela, vivemos numa bolha e, o conforto de um lugar que nos deixa mais seguros, é a acomodação de uma falta de batalhar. Sejamos sinceros, somos os primeiros a pedir mas os últimos a dar o primeiro passo, certo? Queremos crescer para vivermos histórias de amor como lemos em contos infantis e depois, quando crescemos, começamos a envelhecer esquecendo a garra que tínhamos em crianças. Será que ser criança não facilita todo o processo de amar? Penso que sim, deveríamos permanecer pequenos, com determinação, sem receios, inconsequentes, por vezes. Ouvimos demais o que nos diz de menos e não vamos pelos sentimentos, não vamos pelos momentos, nem vamos pelo que, realmente, interessa nisto tudo que se chama viver. Corremos tanto, estudamos, trabalhamos, chegamos a casa e o que fazemos é ver televisão, é agarrarmo-nos a um computador e ali ficamos, na imensidão de um nada, conquistamos dinheiro e o resto? O mais importante? Isso fica para segundo plano e, tantas mas tantas vezes, esse segundo plano nem chega a ser vivido. Passamos pela oportunidade de sermos felizes e deixamos essa felicidade em pessoas que tinham tanto para partilhar connosco. Se querem ainda aproveitar, que tentem hoje, sem demora, sem aquele frenesim de perguntas que o cérebro nos atira e que o coração não encontra resposta. Se estás à espera de respostas para amares, então nunca o irás fazer, porque quando se fala de amor, não existem fórmulas próprias, cálculos certos ou até mesmo guiões que te possas segurar. Aqui danças na corda bamba mas é isso, isso que dá sabor ao teu viver. Aventura-te a amar antes que o amor vire coisa do passado de uma saudade que fica em ti...



Comentários

  1. também vais arriscar assim no amor e deixar a acomodação?

    ResponderEliminar
  2. O amor é de facto bastante simples, mas nós teimamos em complica-lo!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada :)
    Escrever sempre me fez bem. *

    ResponderEliminar
  4. Olá Olá,

    Como sempre um texto muito emotivo, sincero e a falar de Amor, que sem duvida é a coisa que mais te inspira.

    Gostei particularmente da musica, vai de encontro aquilo que faz falta neste teu texto, o arrisca, que certamente será tema de "conversa" para outro post teu :P

    Achei interessante a parte em que fala que fazermos tanto, estudar tanto e etc ... na verdade corremos tanto e tanto, e nunca chegamos a lado nenhum e parece que nunca saimos de lado nenhum, gostei especialmente deste facto, relata a vida de todos nos!

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Admiro muito o que escreves, como já referi varias vezes, mas hoje não sei o que diga, escreves para além do que custas escrever, superas te tudo! Concordo plenamente com a tua opinião, tanto vivemos, tanto fazemos, que não paramos para pensar que amar, também é viver e que para isso alguma coisa temos de fazer... não devemos ficar quietos a espera que alguem te diga que ama, mas sim devemos dar o primeiro passo, porque um dia de tanto esperarmos, a vida pode passar e nós nem ouvimos o outro lado, não dizemos nada em nossa justiça... há que arriscar, à que abrir o coração a outros corações ... a que viver o amor sem problemas, há que se aventurar como tu dizes te e muito bem. Hoje acho que era mesmo este texto que precisa de ler, que precisa de contar ao meu coração, para que ele perceba que o silêncio nao fala de amor, que se não se dá a escutar, não se dará a ouvir... Amor é ver a vida com outras cores, é dar sentido a vida e valor a ti mesmo. Que sejamos verdadeiros homens ou mulheres corajosos para dar um passo em frente na nossa vida do amor e da conquista, afinal se nós não lutaremos por nós, pela nossa felicidade, quem lutará...
    Um beijinho com uma optima semana, recheada de boas inspirações*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário