Ouve-me o peito...


Hoje coloquem a música, hoje dêem tempo a vocês mesmos e sintam amor. Amanhã conseguirei responder a todos os comentários. Sejam felizes e façam alguém feliz também...


Ouvia-se aquele respirar sentido, aquele intensidade de um amor revelado em beijos dados naquela praia, sob aqueles grãos de areia que faziam de palco a uma história diferente das demais. Eram sorrisos trocados, olhares vividos, abraços apertados e uma espera constante de quem aguardava o verdadeiro percorrendo os caminhos, descurando atalhos.
Em palavras envergonhadas ela confessava um amor que tivera crescido no seu peito e ele, ele, dizia-lhe que a vida seria diferente dali em diante porque, quando se vive de verdade, tudo se torna mais forte e a efemeridade fica, apenas, na neblina de quem faz do amor encenação sem sentimento. Em passos tocados, compassos acelerados, corriam todo aquele areal ao pôr-do-sol, banhavam os pés naquele mar e contemplavam todo um querer que tivera assumido as formas daqueles dois corpos, daquelas duas almas.
São amores verdadeiros que nos fazem acreditar, amores que as pessoas ouvem apenas o seu querer, ouvem o seu sentir, formam a sua verdade, lutam sem desculpas e investem sem intervalos. São amores assim que me fazem os olhos brilhar, que me fazem prender a esta vida que, para mim, tem significado nas coisas pequenas, nos mais insignificantes momentos que têm o dom de fazer toda a diferença.
Depois de tudo terminar, de o dia chegar ao fim despediram-se, separaram os seus corpos mas nunca as suas almas, a distância nada era e eles, eles, seriam tanto, um tanto visível apenas aos seus olhos. Antes de irem, antes de se despedirem, ela pede-lhe um beijo e ele, secretamente, diz que – Por mais escolhas, marés que me arrastam este corpo, ventos que me empurrem para lugares longínquos, sei onde te encontrar, tu vives em mim, eu vivo em ti, vivemos neste permanente amor em que nos encontramos em sonhos, em noites mal dormidas, em sons que nos invadem a mente. Tanto se perde na vida, mas o amor, por mais que te envolvas num nevoeiro, ele acaba por te encontrar e tu acabas por encontrar-te a ti mesma, acabas por encontrar-nos a nós num sabor doce de um beijo sentido...



Comentários

  1. Já meteste essa imagem não já?
    Gostei.
    Sempre o mesmo escritor romântico, beijinho **

    ResponderEliminar
  2. Cada vez gosto mais da tua escrita. Adoro mesmo :) É sempre bom visitar o teu blogue e ler um bom poema.
    R: A sério? Isso é bom então :) Fico contente por teres gostado! Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Sempre com magia nas palavras. Muito bonito*

    ResponderEliminar
  4. Já á muito tempo que ando a ler os teus textos! Partilhamos do mesmo gosto pela escrita.

    Obrigado pela lição que me das nos teus textos e pela FORÇA também!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,

      Obrigado pelo comentário, espero que continues cá a passar e a identificar-te com o que aqui escrevo.

      Tem um óptimo fim-de-semana e vive a tua felicidade :)

      Eliminar
  5. Oh, mas que texto lindíssimo :)

    Apaixonei-me :)

    Um amor assim é para sempre :)

    Um beijinho*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário