O reinventar do amor...

Fartei-me das promessas sem sentido, daqueles dias em que o sol me banhava o rosto mas nem me chegava a aquecer ao coração, chega de tudo isto, chega de viver mais uma irrealidade na esperança que ela deixe de ser mais uma utopia. Foi melhor assim, partir, largar tudo que no final se revelou um nada repleto de uma ausência de sentimento que me sufocava com o passar das horas e com o ruir de cada sonho que antes ia sonhando. Não desisto do amor, porém, reinvento-o de outra forma, noutro sentido, com uma maturidade que antes parecia não existir e com os olhos de quem já soube cair e se levantar varias vezes na procura daquilo que considera ser a felicidade e a realização de sonhos sonhados. Sou apenas mais um no meio de tanta gente, mais um que tem o seu sentir mas que o respeita como um bem preciso, como uma estranha forma de vida que me define como sou e não como os outros queriam que fosse. Construo o meu próprio amor e assim posso dizer que este é apenas meu e não mais uma réplica de tudo o que se vê mas que acaba-se por nem saber sentir. Caminho por entre os caminhos que tracei, por entre aquilo que acredito ser tão real por mais que demore tempo ou até mesmo que custe a passar, acredito que nesse mesmo tempo vem a verdade e com ele acaba-se por construir algo sólido e não apenas um imaginário que acaba por ruir na primeira tempestade que a vida vem nos habituando a sentir. Há muito tempo que o coração pedia isto, largar tudo e voltar a acreditar mais no sentir e não apenas no desejar, viver desprovido de amarras e entregue aquilo que o destino nos vai trazendo, numa história que prima por ser mutável a cada dia que nos levantamos e vivemos mais um episódio que certamente traz sempre algo de novo. Ontem poderia te amar mas hoje apenas vejo que o coração finalmente te esqueceu...

Comentários

  1. ainda falas dos meus textos, ja viste bem os teus ? que doçura de ler *

    ResponderEliminar
  2. uaaaaaaaau +.+ obrigado a sério obrigado. e olha, lembra-te sempre, que acreditar num amor, nunca é errado

    ResponderEliminar
  3. e desde já, parabéns por conseguires dizer o que dizes neste texto

    ResponderEliminar
  4. Boa noite Pedacinho(s),

    Como está?
    Li, devorei o seu texto.
    Quem escreve assim, não é "gago", não é iletrado.
    Jovem, segundo me parece, mas sem ser nem estar à rasca de conceitos, de ideias.
    Fez muito bem!
    Ame-se a si próprio, primeiro. Depois, e se acontecer, virão outros amores.
    O amor é um conceito pré definido, pré estabelecido.
    O resto, faremos nós.
    Volte, quando quiser e tiver vontade.
    A porta está, sempre, aberta, porque não consigo trancar o coração.

    Abraços de luz.

    ResponderEliminar
  5. é, não é ? também já te aconteceu ? ou ainda és felizardo e, por sua vez, ainda te acontece ? :')

    ResponderEliminar
  6. e de certeza que encontrarás quem te cause tantas borboletas ou mais como as que eu tenho tido à três anos, quase.

    ResponderEliminar
  7. Revejo-me imenso na tua escrita. No sentir e apenas isso. Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. está maravilhosamente verdadeiro. adorei :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário