Aquilo que sempre foste...

Não esquecerei cada momento dos segundos perdidos, das horas caladas e das histórias deslaçaradas no meio de tudo isto que nem sei que nome dar. Do amor surgiu o fugir e deste fugir levou à partida daquilo que sempre quis para mim, que sempre quis para nós, a felicidade. Procuro-te por entre aquilo que ainda me lembro de ti, o cheiro, o sorriso mas acima disso o olhar que permanece tão vivo dentro desta minha vida, tão entranha para mim, tão desconhecida em tudo o que passo, em tudo o que acredito. Os meus braços procuram pela tua pele e a minha voz chama o teu nome nas esquinas de uma cidade que tanta magia deixa em mim, que tanta recordação agarra a este meu peito, a este meu (teu) coração. Não peço aquilo que sei que não me deixará feliz, procuro assim aquilo que me deixa feliz, aquilo que tanto sonho, que tanto quero viver. Posso não ser o que todos esperam, posso até mesmo não ser aquilo que tantos sonham mas sou eu, despido de tudo e entregue aos sentimentos como forma de vida, como simples e verdadeiro caminho para uma felicidade que ainda vou conseguindo acreditar. Se falo de amor é porque o sinto e certamente estas palavras nunca saberão tudo aquilo que tenho dentro de mim, um mundo cheio de sonhos, um coração cheio de tudo mas que ao mesmo tempo não tem nada porque falta quem na verdade sempre lá esteve, quem na verdade nunca de lá saiu, tornando-se parte de mim, fazendo desta minha canção um fado que procura o que sempre quis, o teu amor...

Comentários

Enviar um comentário