"Os Pássaros"

Sinto-te em mim, neste físico que te conhece de outras existências,
De longínquos destinos em que nos transpomos – em que existimos neste amor.
Sinto-te aqui, no cravar da minha pele, no sangue que brota em desejos,
Em confessos anseios - de querer-te nestes braços que são teus.
(Nos meus anseios mais secretos – que te confesso em subtilezas.)

Apenas sinto-te… na inexistência de dor, do medo que antes tão bem conhecia,
Nas noites em que caia em lágrimas saudosas que hoje... já não residem nos meus olhos.
Sinto-te em mim, sabendo que sem ti não existo,
Padecendo em miragens negras, em fantasias esquecidas
(Pelo tempo que não foi nosso – pelo tempo em que te indaguei.)

Sinto-te em mim, mesmo não sentindo o toque das tuas asas,
O sabor do teu beijo que tanto almejo – almejando abraçar-te em utopias.
Sinto-te aqui e de tão pouco me importa o mundo, comparado com o sentimento,
Aquele que fizemos crescer em voos de firmamento,
Aquele que nos uniu em fantasias tão reais…



Comentários

  1. Sempre, sempre uma surpresa linda!

    Uma boa noite
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas suas palavras e pelo seu apoio.

      Um abraço e boa noite :)

      Eliminar

Enviar um comentário