Meia dúzia de palavras...

Orgulha-te de quem és, luta, vive, agarra, preserva, arrisca. Se caíres, levanta-te, mais forte, mais determinado, mais corajoso. Não vás por atalhos, caminhos distorcidos ou aventuras efémeras. Aventura-te a amar, com tudo, sem desculpas, sem constrangimentos, sem momentos. Sonha, de olhos abertos, de olhos fechados ou até mesmo quando avistas quem te faz tremer. Não te prendas, nasceste livre e é nessa liberdade que te moves. Movimenta o corpo, nunca será numa cadeira que formarás o teu destino. Não vás de imagens, vive é de sabores, daqueles que te ficam na boca e te fazem sorrir. Enfrente fantasmas, quebra muros mas não esperes ter algo sem nada fazeres. Torna-te um homem de valor, daqueles que ambicionavas ser em pequeno, será que agora já o és? Então não faças do tempo um tempo perdido, não faças da tua história um rascunho sem qualquer significado. Ama porque sim, vive porque sim, agarra porque sim, liberta-te porque sim. Não vás por conversas alheias, por vozes que, na verdade, não são a tua. Admira as pessoas verdadeiras, as mulheres que te cativam com um sorriso, aquelas simples que não se importam de ter uma nódoa na blusa, o batom borrado por um beijo ou a maquilhagem por fazer. Faz de ti o herói de uma mulher assim, daquelas que, mesmo que tu estejas todo desarrumado, olhem para ti e te digam “Estando tu com uma camisa ou uma t-shirt rasgada fazes o meu coração feliz”.  Sabe bem respirar verdade, pegares na mão, partilhares uma bebida, perderes a noção do tempo e passeares com a tua companheira de história e não desfilando com uma barbie que faz arregalar os olhos de quem, ainda, não aprendeu a sentir. E disto que eu gosto, deste desprendimento em que, o principal de tudo, é sermos felizes, ora na praia, ora numa rulote ou até mesmo num hotel com vista para a serra. O que interessa é vivermos, o agora, porque nem sabemos se o amanhã existirá. Agora não fiques na demora, no impasse, um homem gosta de conquistas mas, igualmente, um homem gosta de ser conquistado, com palavras, olhares mas, sobretudo com atitudes. Se gostas arrisca, arrisca-te a ter, a viver, a beijar ou até mesmo a abraçar. Mas nunca, nunca na vida escrevas a tua história sem ser, única e exclusivamente, pela tua vontade...



Comentários

  1. Estamos em sintonia. Devemos arriscar seguir o nosso instinto. Sem dúvida uma meia duzia de palavras que vale por mil. Abraço

    ResponderEliminar
  2. Aventura-te a ler isto.
    Aventura-te a sonhar.
    Aventura-te a viver esses sonhos.
    Arrisca essa meia dúzia de palavras e escreve um livro inteiro de histórias tuas. Histórias que não deixaste de viver.
    Arrisca-te ao arrepio ao olhares para trás no tempo e veres que leres esta meia dúzia de palavras valeu todo o tempo.

    Sonhei :)

    ResponderEliminar
  3. um texto capaz de “civilizar” o homem mais “embrutecido” ;))
    lindo!!
    Patrícia*

    ResponderEliminar
  4. Obrigada por de forma tão bonita incentivares alguém a ser capaz de VIVER! Defendermo-nos, perder o medo de arriscar é uma aventura para alguns mas é realmente o que vale a pena...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário