Bilhete...

Escuta-me o coração, este peito feito de sonhos, de letras e melodias que esvoaçam por aí, por caminhos só meus, por destinos que nos cruzam. Encosta-te a mim, num tempo sem tempos em que, a eternidade surge, deixando de lado a utopia, formando verdade ao nosso olhar. Quero-te, nesta mistura de sentimentos ambíguos, no quebrar da distância que separa dois corpos mas, nunca dois seres. Agarra-te a mim, percorreremos estas ruas em que, as paredes, são escritas em dialectos de uma saudade que tão bem conheço. Sejamos desconhecidos que se conhecem tão bem, sem falar, sem tocar, sentindo-nos apenas. Esqueceremos o futuro, focar-nos-emos no hoje, nos momentos em que te desenho, numa folha de papel, numa abstracção permanente em que, a tua imagem, invade o quotidiano, querendo-te mais, desejando-te sem intervalos. Nestas voltas em que partes e regressas, quero que saibas que sou um louco, louco pelas horas e madrugadas em que te procuro, nas ruas e ruelas, nas vilas, nas cidadelas. Escrevo vida e não prosas, em que as letras se diluem, nas chuvas que caem. Aqui, as palavras são tatuagens, tatuagens que me percorrem o corpo, este corpo errante, paciente, este corpo que te espera, este corpo que te almeja. No fim de tudo isto, somos apenas canção, melodia que paira no ar, numa vontade tão permanente em dois bilhetes de comboio, para que possamos fugir...



Comentários

  1. Dois bilhetes de comboio para fugir? Que tal dois bilhetes para ficar? ao contrário de ti, não sou de fugir...sou de ficar e quando finco os pés, venha quem vier que não me consegue retirar. Adoro viver ao sabor da brisa, sem pensar no amanhã. O hoje, é que é importante e são estes momentos que fazem milagres. Tantas vezes, andamos de olhos vendados, agarrados a promessas que afinal já foram cumpridas, que somos incapazes de enxergar o que está à nossa frente. Tantas vezes nos batem na cabeça para que se abra os olhos e se deixe fluir os sentimentos. Tantas vezes se vai para um determinado objectivo e na realidade o motivo sempre foi outro. Seres que se cruzam, chamamentos de almas que se atraem sem se verem. Tocam-se na sua imensidão, ouvem a voz do coração batem em portas nessa busca sem fim. E tantas vezes, a dor do outro lado é desesperante nessa espera, nesse abrir de olhos. Que cego de amor, faz muitas vezes o que não deve. Para não perder, faz-se passar por quem não é. Andam ambos num compasso de espera, quando a verdade à muito foi implantada. Tantas vezes, se perde tempo nesse impasse e nesse laço que envolve os medos. Se todos nós soubéssemos ouvir a voz da intuição e do coração seriamos poupados da dor. que por burrice nossa adoramos chafurdar nela.

    Uma boa noite para ti :) Águia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras que fazem todo o sentindo mas, que para existir essa verdade e esse ficar que tanto falas, deve haver conhecimento, deve haver tempo, teve haver maturidade.
      Nada surge de um momento para o outro, o que existe é um conhecimento reciproco baseado na passagem dos dias, no decorrer das conversas.

      Um Bom dia para ti :)

      Eliminar
  2. Não sou cantora. Não sou poetisa. Quem me conhece vê que falo com olhar e neste recanto e com tão belo bilhete, lembrei-me de um poema que li e ficou-me no ouvido:
    "O amor é a estrada
    O amor é o inicio da caminhada
    O amor é o que une
    O amor é o que ata
    O amor o medo despedaça
    O amor é chama
    O amor é a brasa
    O amor é viajante que retorna a casa
    O amor liberta
    O amor não passa
    O amor é um estado de graça
    O amor é consciência
    O amor é real
    O amor é a ausência do mal
    O amor é tudo aquilo que somos
    Quando os nossos passos são fieis aos nossos sonhos.
    Autor
    Anuska "
    Uma boa noite :)
    Águia

    ResponderEliminar
  3. Este poema é para ti e criado por um excelente poeta romântico. Guarda-o foi-te enviado com carinho
    "Recordo tempos passados e no tempo que já passou
    Desde aquele dia em que o Ariel
    Uma seta nos atirou
    Recordo com saudade o desejo de voltar
    Ao que tu não me querias dar
    Fui ladrão, não vou negar
    No caminho o teu corpo, desejei abraçar
    E a tua alma aprisionar
    E sem eu imaginar vieste tu aqui parar
    Às algemas dos meus braços
    Quando as esperanças morriam no chão
    Com amor, desejei ser um bom carcereiro
    De tal forma que já nem eu sei
    Qual de nós é o prisioneiro
    Neste caminho de tanto amar"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela partilha, irei guarda-lo certamente :)

      Eliminar
  4. Por vezes a distância tem a sua magia e faz com que se crie uma cumplicidade de todo o tamanho...
    Adoro ler estas palavras e perceber como é possível amar e ser amado todos os dias, apreciar cada momento como único e estar mais longe ou mais perto...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário