Rasbisco...

Dançamos que nem loucos, num toque sentido, num lugar perdido, numa sinfonia de dois corações. Deslizamos por aquele soalho de madeira com cheiro a Outono, sentia o teu pulsar no meu abraço, perdia-me no olhar que emanava do teu ser, que me revelava a tua alma. Sentia-te, sentia a aragem que passava pelo teu cabelo, que me fazia avistar uma garrafa de vinho aberta com dois copos, com duas velas acesas. A melodia transpirava vida e os nossos corpos, naquele abraço, deixavam-se ir, numa sala com lareira quente, com vista para um mar tão nosso. Livres, livres confessávamos sentimentos, falávamos num beijo silencioso em que a alma revelava bem mais do que aquilo que queríamos. Há muito que te escrevia em contos meus, em rabiscos que preenchiam as paredes do meu quarto, aquele que emergia do meio dos sonhos, que te formava assim, mulher, a minha mulher. Chegaste suavemente a mim, no meio de acordos de guitarra e compassos descompassados de paixão. Ficas-te a habitar o refúgio do meu ser, fizeste de mim o teu homem, fizeste de nós a presença de uma ausência que se dissipou na complementaridade do que chamamos de amor...



Comentários

  1. adorei o teu tipo de posts, achei muito interessante! :)

    http://catsandties.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso ler-te! Um dia, prometi voltar, à leitura e à escrita, esse dia está a chegar...estou Viva* e isso é tudo!!!
    Venci <3 tal como vencem os abraços, juntando os teus braços, e as tuas palavras tomam o verdadeiro rumo dos momentos, mais ou tanto menos felizes. Gosto de te ler. :)

    ResponderEliminar
  3. um danço contigo ao som de Etta James, e o céu há-de rebentar da combustão maravilhosa das estrelas cheias de amor :)

    ResponderEliminar
  4. Amor, dança e uma boa música... Que combinação perfeita!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário