Meras palavras escritas...


Tirem um tempo, coloquem a música e percorram as palavras. Hoje aqui narra-se uma história de vida, algo que pode ser sentido, crido, sonhado, vivido. Tirem um tempo hoje, acredito que sairão com vontade de amar. Beijos e Abraços...
Os passos eram firmes, firme era a vontade que residia no corpo, que ainda habitava a alam. A distância, seria a distância a causadora desta saudade permanente? Seria esta distância que os levava ao padecer de um grande amor? Questões permaneciam sobre aquele manto de sombras distorcidas e de destinos atraiçoados. Prosas escritas, dedilhadas teclas em que emanavam as melodias que percorriam quilómetros na busca de respostas. Estava ali ele, sentado, esperando um sinal para que conseguisse seguir, libertar-se do medo e agarrar um amor sentido há tanto tempo, um amor escondido mas nunca perdido na ascensão da palavra e do que outrora tivera confessado. Tudo estava igual, tudo permanecia igual na espera constante de um avanço mútuo, na espera de uma insanidade momentânea que os fazia correr para os braços um do outro, sem tempos, sem intervalos, sem desculpas. Esperavam esse momento, ambos sonhavam com o encontro mas calavam demais, apenas largando ao vento as palavras que espelhavam o que a alma gritava e o coração pedia. No meio de tudo o que tinha sido calado, de tudo o que tinha sido adiado ele chega perto dela e em palavras sentidas sussurra-lhe ao ouvido “-Nenhum oceano consegue afastar na distância a imensidão da saudade sentida no coração de quem ama!”. Ela, sorrindo, olha-lhe nos olhos e tocando-lhe no peito, compreende que todo o tempo foi perdido em vão, que um amor verdadeiro nasce para ser vivido, para ser sentido e não apenas guardado em recordações de um tempo que passa por nós deixando a saudade do que não foi vivido. Desde então percorrem caminhos, despendem-se com um beijo esperando a chegada de mais um raio de sol, esperando mais um encontro duradouro numa história antes tão irreal e agora tão verdadeira. Sonhos vividos e erros cometidos, percursos reinventados, passos dados, são amores de verdade, escritos por pessoas que sabem amar, por corações que sabem esperar e por coincidências que não se explicam porque elas, elas sabem o que fazem...





Comentários

  1. adorei este texto, ensinou-me bastante, acredita!
    um beijo *

    ResponderEliminar
  2. (ahhh como eu adoro esta musica! linda)
    qto ao texto, a distancia, essa bela da distancia que tantas vezes tem de ser percorrida, muitas vezes contra o tempo para transformar novamente as recordacoes em momentos reais, aqueles momentos em que o tempo parece voar mas que valem tudo.
    e um texto com o qual me identifico mesmo muito. No final de contas vale sempre a pena caminhar e procurar a nossa metade, as recordacoes ficam e acabam por se ir apagando, como tal nada como criar novas recordacoes de momentos vividos :)

    ResponderEliminar
  3. Bonito texto! "Conheço essa frase de algum lado." ;o)

    Vou tomar a liberdade de te dizer que eu acredito que de facto amas essa mullher... mas ela aguarda que lhe digas todos esses sentimentos olhos nos olhos... não que os escrevas. O vosso problema é que ela continua a viver nesse passado e tu vives já num futuro que não existe. Fala com ela e explica-lhe o que sentes, com a mesma emoção com que escreves.
    Eu revejo-me na tua escrita, porque ambos falamos do mesmo sentimento e ambos perdemos alguém no passado. Infelizmente eu já não posso recuperar quem eu perdi, mas tu ainda podes. Vai à luta!

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  4. Olá André, como estás?

    Bem, desta vez achei muito interessante mais do que um texto, desta vez crias-te uma vida, uma peça em torno deste "guiao", achei mesmo interessante. Agora pareceu me a mim mais um excerto de um livro, até parace a descrição de uma "cena" de um "acto" ao contrário do que habitualmente fazes, mas está igualmente brilhante, gosto desta nova fase :P

    Forte Abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário