A força que há em nós...


Hoje deixo algo diferente, algo que gostava que lessem, que colocasse a música e deixasse-se guiar pela história, pelo sentimento que ela mostra... Beijos e Abraços.

Há muito as palavras preenchem as paredes desta minha casa. Descalço, sigo a direcção da luz que entra pelas ventanas desta janela. Ainda sinto o aroma daquele café forte, daquele café quente que me aquecia o corpo, que me revigorava a alma. Encontro naquele caminho a porta entreaberta da sala, aquela sala que não me atrevo a entrar, onde tudo perde a cor, em que as fotografias se conjugam na perfeição com o negrume das paredes. Sinto a tua falta, sinto a falta do aconchego do teu abraço, da doçura do teu olhar, da voz que ecoava por entre estes corredores esquecidos de vida. Melodia triste esta, melodia que me faz cair na dura realidade que tanto ignoro, vivo num sonho meu, vivo nesta divisão em que o sol está pintado nas paredes, nestas paredes que ainda conseguem suportar a cor. Velho de mim, velho e gasto como os panos que estão à janela desde o dia em que os colocaste de manhã. Dói, dói saber que a vida passa e que tu não te tornaste imortal a meu lado, dói, dói saber que há quem finja amar e nós, que conhecíamos isso o que era o amor, acabamos por nos perder. São palavras gastas, ditas num momento em que apenas falo comigo, porque nem eu me conheço, porque nem sequer sei se existo. Aguardo, aguardo que me venhas buscar e me tires estes pés descalços do soalho frio desta prisão em que me encontro. Dedilho estas melodias, ainda consigo dedilhar estes pedaços de mim que não encontram remetente, que não encontram o que ficou de ti em mim. Naquele dia levaste-me contigo, naquele dia deixaste-me ao sabor do vento, vazio por dento, tão inseguro por fora. Amores de verdade devem de ser vividos, tal como o nosso, devem ser repartidos, mas sabes? As pessoas esquecem-se de amar, hoje as pessoas esquecem-se o que é amar. Não sei eu outra coisa e tu também o saberás com certeza. Por isso vou amando, se não te amo o corpo, amo-te em recordação, a recordação que em mim ficou, que em mim se tatuou, que por ti se apaixonou. 
Hoje espero por ti.

De quem te ama para além do que se conhece...



Em cada história há um ensinamento, em cada perda surge uma nova razão para avançar, em cada sonho reside uma vontade de seguir e em cada risco, cria-se um novo momento, o nosso momento...


Comentários

  1. É um texto lindíssimo, mas mostra que há alguém que não virou a página, que ainda pensa no seu amor passado, que não esqueceu e que de uma forma ou de outra ainda espera pela mão dessa pessoa que amou um dia.

    É bom que recordemos, mas não viver demais o passado porque por vezes impede-nos de viver o presente :)

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. Seus textos são lindos, com a música ao fundo, sempre bom.

    ResponderEliminar
  3. Se houveram dias que me fizes-te sentir, sem duvida este foi um deles, por entre a mágoa de um amor perdido e a saudade, revivi momentos em cada palavra, em cada momento descrito. És divino com as palavras e na forma como amas, pois mesmo não dando certo, tu continuas "prisioneiro" de um amor memorial, que passou mas ficou.

    Um beijinho enorme *

    ResponderEliminar
  4. já tinha saudades de ler os teus textos. Mais uma vez, adorei. Um beijinho *

    ResponderEliminar

Enviar um comentário