O outro lado...

Despediu-se com um abraço apertado e partiu, sabe que o coração agora já esta recuperado e a vontade de amar novamente se torna muito maior do que as lembranças que ainda iam permanecendo tão vivas em si, na sua forma de encarar a vida. Olhou para trás, para ver tudo o que ali ficava, agora o caminho era outro e as suas pegadas desapareciam com o bater das ondas no areal daquele lugar. Estava frio, estava um frio que fez ela partir e quando ele olhou pela última vez, já nem o rasto dela existia, já nem o cheio permanecia no ar que um dia foi perfumado por os sonhos de ambos e pelas melodias que ecoavam por entre os ventos e as brisas frescas que ali passavam. Esqueceu-se do nós, esqueceu-se de plurais e viveu a singularidade da sua existência, a sua forma tão peculiar e única de sonhar, de lutar por esses sonhos e de os viver com a intensidade que o momento assim permitia. Nunca foi de pedir porque saberia que assim iria ter algo sem esforço, sem luta e isso desvalorizava todo o momento e reduzia o caminho a um simples atalho pelo qual nunca pensou caminhar, nunca desejou passar. Hoje vive conforme aquilo que vê e não por aquilo que lhe contam, não se entrega às palavras vazias de discursos moralistas e cria a sua própria história, com o papel e a caneta que possui, com a sua mão e não com a mão de quem fala sem saber, vive sem viver. Ter uma cara bonita não significa ter um coração bonito, ser amado não significa amar, sentir não pressupõe abandonar a razão e esquecer não se trata de abandonar os sonhos mas sim reinventa-los de outra forma, com outra pessoa...


Comentários

  1. é isso que também tento transparecer. quero, não só contar-vos as minhas experiências e mostrar como me sinto a quem me dirijo, mas também quero que os meus leitores sintam que, ao acabar o texto, tenham tido essa experiência, pelo menos sentido, mesmo que não a tivessem tido.
    oh, como eu adoro ter-te como seguidor atento :)

    ResponderEliminar
  2. « esqueceu-se do nós, esqueceu-se de plurais e viveu a singularidade da sua existência, a sua forma tão peculiar e única de sonhar, de lutar por esses sonhos e de os viver com a intensidade que o momento assim permitia. » e quantas vezes isto já aconteceu, quantas...

    ResponderEliminar
  3. obrigada de coração pela força, muito obrigada <3

    ResponderEliminar
  4. Simplesmente fantástico , consegui rever-me nessas palavras . Vou seguir , um beijo *

    ResponderEliminar
  5. Suas palavras são um alento a meu coração ainda machucado por tantas e atuais experiências. Mas vou seguindo, como vc também segue... vou aprendendo como vc (dentre tantos) me ensina as lições corretas. Obrigado (sincera e simplesmente obrigado).

    ResponderEliminar
  6. Digo-te uma coisa,para além do post estar (mais uma vez!) extremamente bem escrito,o último paragrafo é tal e qual o meu pensamento de ontem (" Ter uma cara bonita não significa ter um coração bonito..)
    É mesmo verdade!!
    Parte de eu aceitar muito bem esta frase que escreveste,foi um dos motivos que me levou a escrever aquele post de ontem (que tu comentas-te e agradeço muito!).
    Odeio pessoas assim. Só por terem uma aparência "agradável" comparativamente à média,fazem o que querem..
    Mas já agora: não te preocupes que isto só são desabafos! Isto aqui vem e vai (se é que entendes) =)
    Quanto ao (teu) post,é como te digo,lindo lindo!!
    Tens uma maneira tão pessoal e tão bela de escreveres.. já pensaste em editar um livro?
    Acho que te sairias muito bem! =)

    Beijinho*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário