Amor meu...

Entrelaçava por entre os dedos o coração que batia por mim, guardava os olhares e o mundo, aquele mesmo mundo que nos viu nascer rendia-se ao nosso amor, aquele amor simples mas que tinham a intensidade de um fogo ardente que permanecia apenas em nós. As palavras pareciam não ser nada no meio do nosso sentimento e, na verdade, jamais vivemos de outras pessoas, de outras opiniões. Éramos apenas nós, vestidos de nada no meio de um tudo que conhecíamos tão bem, que preenchia o passar das horas e dos segundos de uma história que escrevíamos e sempre escrevemos com a nossa própria mão. A simplicidade de tudo era o que nos fazia felizes, o que ainda nos faz felizes. Não gostamos de grandes ostentações, de grandes gestos em que dizemos ao mundo todo o nosso amor, falamos ao próprio coração, aquele coração que tanto amamos e isso basta não é? Não procuramos projectar tudo mas sonhamos e isso, ninguém nos pode tirar, caminhamos passo a passo juntos como sempre deveria ser e no conforto do nosso refúgio trocamos promessas que sabemos que podem ser realizadas por nós, pela nossa própria capacidade de lutar contra barreiras e de nunca desistirmos do que verdadeiramente nos faz felizes. Os caminhos pareceram pesados, os erros fizeram parte do passado mas do que isso vale? Do que vale um tempo que já nem mais existe a não ser na recordação? Poucos são aqueles que se libertam desse dito passado, dos fantasmas que nele permanecem e nos arrependimentos que um dia causou. O que a pessoa é não significa o que a pessoa já foi, o que ela sentiu jamais será igualmente sentido no presente, o que a pessoa fez ensinou-lhe a melhorar e então porquê que tanta gente prefere ver o que a outra pessoa foi ou fez no passado em vez de olhar para o que ela lhe dá no presente? Nós não somos assim e isso sabe-me tão bem sabias? Sabe bem saber que o amor torna-se livre, que podemos seguir rumos diferentes durante o dia mas que à noite procuramos um ou outro, entregamo-nos num amor que não cobra de mais apenas que sente de mais, que vive de mais, que sorri de mais. Aprendi contigo o que há muito tempo tinha sonhado para mim, aprendi que esses mesmos sonhos podem ser uma realidade constante, uma felicidade nossa e não de quem assiste em forma de espectador à nossa própria vida. Hoje posso dizer que finalmente das palavras saíram os sentimentos e que do tempo voltou-se a erguer a minha história feliz, a nossa história feliz...




No amor arriscamos de olhos fechados, sem medos, sem prisões. No amor somos livres, somos dois, somos um amor, somos um mesmo sonhar...


Comentários

  1. Tudo o que espero, é que esta seja de facto a tua realidade, e não um sonho...
    Lindo!
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. É verdade... é mesmo muito bom! Ainda bem que gostaste :) e espero continuar a agradar-te como tenho agradado :)

    ResponderEliminar
  3. estas semanas não vão ser boas :s infelizmente ...

    ResponderEliminar
  4. é extremamente gratificante para mim saber que segues tão assiduamente as minhas pegadas no mundo da blogosfera. obrigada por seguires as minhas pisadas neste mundo, podes passar sempre que quiseres, sempre que te apetecer.
    mais uma vez, tens aqui um belíssimo texto. é sempre um prazer visitar o teu espaço.
    " O que a pessoa é não significa o que a pessoa já foi, o que ela sentiu jamais será igualmente sentido no presente " esta frase reporta-me a situações do meu quotidiano, o que é bom. beijinhos e continuação de um bom fim-de-semana *

    ResponderEliminar
  5. Obrigada...e digo o mesmo pois vir ao teu blog e ver estes lindos textos é maravilhoso, acredita!
    ;)

    ResponderEliminar
  6. É igualmente um prazer ter seguidores como tu <3 *-* OBRIGADA, do fundo do coração (:

    ResponderEliminar
  7. Olá André,

    O teu texto, hoje, embora seguindo o mesmo rumo, o tal amor, que parece já estar esquecido, está, também filosófico.
    No final dizes que os sentimentos saíram das palavras, mas depois afirmas, que a tua e a vossa história de amor se reergueu.

    AVANÇOS E RECUOS?

    As imagens, que escolhes são queridas e ternas.
    Estive a ouvir os Anjos, como não poderia deixar de ser.

    Bom fim de semana.

    Agradeço o comentário, tão agradável, que deixaste no meu blog.

    Beijos de luz.

    ResponderEliminar
  8. "Não procuramos projectar tudo mas sonhamos e isso, ninguém nos pode tirar";

    "No amor arriscamos de olhos fechados, sem medos, sem prisões. No amor somos livres, somos dois, somos um amor, somos um mesmo sonhar..."

    Ganhei o dia com estas duas frases.
    Relaciono-me tanto com elas..
    Achei perfeito este teu texto (assim como todos os outros).
    Adoro a maneira como depositas as tuas emoções e (indirectamente) as tuas experiências de vida,que te vieram trazer estas opiniões de que escreves.
    Gostei muito,mesmo muito bonito =)

    Beijinho*
    p.s-não tens nada de agradecer! É um prazer ler os teus textos.
    E aliás,eu sigo o teu blog por alguma razão não é? :P
    E a minha razão é que acho que tens um talento enorme na vertente da escrita!
    Continua assim! :)

    ResponderEliminar
  9. e é com toda a certeza que cuidarei dele para o resto da minha vida <3
    é gratificante ter um seguidor nato como tu, não me canso de o dizer. é que sabes, é tão reconfortante chegar ao meu cantinho e pensar que, de certeza, terei lá um comentário meu e nunca errar, estar sempre lá algo que tu escreves. melhor ainda é, depois de teres passado pelo meu cantinho, eu vir aqui, à tua casa, e ser ainda mais confortável, ver todo o amor que depositas na escrita e de forma tão bela. ó pedacinhos, muito obrigada.

    ResponderEliminar
  10. muito bom, padrinhz. ahah sempre inspirado pelo amor :p

    ResponderEliminar
  11. Oh muito obrigada mesmo!
    É um prazer ler os teus textos e certamente será um prazer ter-te como meu seguidor. E é claro que adorei aqui o teu blog e vou ser leitora assídua, é obvio que sigo :)

    ResponderEliminar
  12. Mais uma vez, obrigada de coração, do fundo do meu coração e oh, assinei porque tive vontade de assinar porque oh, eu tenho medo do mundo e neste mundo sou a Aurora, e oh, naquele dia, não me quis esconder e oh, a carta tinha de estar com o meu nome. Obrigada!

    ResponderEliminar
  13. Continuação de bom fim de semana para ti também! Beijinho

    ResponderEliminar
  14. oh, muito obrigada!

    o mesmo posso dizer do teu cantinho, estas palavras brilham imenso, sabes usá-las imensamente bem! também te sigo

    ResponderEliminar
  15. Como sempre, grande comentário. Muito obrigada mesmo!

    ResponderEliminar
  16. é, já estou bem e oh, como é bom sentir toda esta leveza. obrigada, gosto sempre do que escreves. :)

    ResponderEliminar
  17. Gostei tanto! Escreves sobre o amor de uma forma livre e bonita, igual ao que ele é! Revejo-me nas tuas palavras e isso soube-me bem! Felicidades e que o teu amor continue a crescer dessa forma saudável!

    Obrigada também pelo teu comentário e pelas tuas palavras :)

    Beijinho, Emilie.

    ResponderEliminar
  18. É tão bom ler-te. Suave, leitura que acalma meu coração. "Éramos apenas nós, vestidos de nada no meio de um tudo que conhecíamos tão bem..."

    Perfeito (:

    ResponderEliminar
  19. Obrigada pelo teu apoio e força incondicional! :') tem sido muito importante para mim.
    já os teus textos, são do tipo de texto que para além de estarem repletos de sentimento, dão-me sempre um pouco mais de esperança. continua a escrever, nunca pares nem mudes aquilo que és, gostei muito de te conhecer André :) um beijinho enorme

    ResponderEliminar
  20. eu também queria muito muito MUITO ir mas vamos lá ver q:

    ResponderEliminar
  21. « éramos apenas nós, vestidos de nada no meio de um tudo que conhecíamos tão bem » cada vez me surpreendes mais com a tua delicadeza na escrita. que LINDO!

    ResponderEliminar
  22. Que texto lindo... E gostava imenso de estar nessa situação :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário