"Dói-me ter de existir"

Dói-me o peito inflamado pela dor -
Por me olharem como um senhor,
Sendo eu, apenas, o vazio.
Dói-me ver este rio que passa por mim,
Que me revela que estou próximo do fim,
E mesmo assim ainda sei acreditar nos meus sonhos.
Dói-me ser o silêncio,
E finjo nem querer saber, nem saber de ti.
Visto-me de escravo e de parvo.
E saio para a rua... sem saber mais de mim.
Engano tudo, o mundo, a saudade, 
Engulo um copo de insanidade e nem sequer olho para trás.
Dói-me não ter paz.
Viver nesta agonia de não ter
E ter muito mais do que aquilo de que eu preciso.
Perco o juízo e nem quero mais olhar,
O amor acaba por se dissipar e eu nem sei o que é sentir.
Dói-me ter de existir.
Se tudo o que eu mais quero é nem sequer contar,
Esquecer-me de tudo o que vivi. De quem conheci.
Ser escravo de uma paixão ruim,
Ou olhar nos olhos de uma prostituta que nem sabe de ti.
Dói-me olhar isto tudo,
E ver que o mundo não me pertence. E ver que eu não quero estar assim...
Porque enquanto eu me lembrar que não somos um fim,
Serei pedaço de carne... que não sabe amar.

Resultado de imagem para dor tumblr

Comentários