"Não desistas de mim…"

Não desistas de mim… de tudo aquilo que sentimos, de tudo aquilo que algum dia fomos. Das promessas que trocamos e dos sorrisos que damos – quando acreditamos que o amor poderia ser mais forte que tudo. Não desistas da nossa história, das memórias que ficaram cravadas no nosso peito, dos olhares que nada falam, das mãos que nos seguravam a um mesmo destino. Por mais falhas que possamos ter… não podemos desistir assim de tudo, largar o nosso mundo e lançar-nos ao vazio de tudo aquilo que não sabemos sentir. Doí ter de partir… sabendo que o nosso lugar é aqui mesmo, em que os sonhos encontram caminho, em que as noites caiam em gestos de paixão. Não desistas já de mim… sem sequer tentares entender tudo aquilo que sou, sem perceberes o que sinto, aquilo que não minto. Sem sequer lutares… por mim. Fica no meu abraço, por mais erros que tenha cometido, por mais vezes que tenha fugido, deste sentimento que só me sabe agarrar, deste medo que me assola sempre que vejo que te posso perder. Não te vás embora já! Não feches a porta deste quarto enquanto eu peço por ti, enquanto sei que, se lutarmos não seremos um fim, não seremos a saudade (que nos mata por dentro). Não partas querendo ficar, querendo ser mais do que esta falta que agora sentimos, mais do que esta dor que nos trespassa o peito, nos leva a um grito imperfeito – que gritamos em palavras de rancor. Não desistas de tudo o que construímos… de tudo aquilo que pedimos, de tudo o que vimos – sempre que nos arriscamos a amar na imperfeição dos nossos seres. E é essa ansiedade que me empurra, que me leva à loucura… de ver-te ires sem olhares nem sequer para trás. O meu corpo está dormente, tão carente desses abraços que só tu me sabias dar, que só tu me sabias… segurar. Hoje… sou a sombra da falta que me causas, sou o arrependimento de tudo o que deixei calado, de cada vez que fiquei parado e não soube lutar por ti. Agora, eu sei que é o meu fim, se não te procurar por aí, e amar-te como só tu mereces. Não desistas de mim… não desistas de nós…


Comentários

Enviar um comentário