"Dói-me sentir esta saudade..."

Dói-me sentir esta saudade... esta falta que arde no meu peito, esta ferida que sei que nunca irá sarar. Dói-me amar... amar muito para além do toque, muito para além da presença - 
Daquela estrela que se encontra tão longe de mim (e que eu a sinto como parte daquilo que sou).
Doem-me os braços, os olhos, o rosto. Dói-me o peito.
Tudo parece desfeito e ao mesmo tempo nem sei se o caminho é em frente. 
Estou dormente! Naquele silêncio em que me perco nas memórias que não consigo apagar.
O amor habitará sempre em mim mas... eu não sei o que é habitar dentro deste vazio - que se esconde num sorriso que tento esboçar.
Procuro ainda por ti... mesmo sabendo que não te encontro. Mesmo sabendo que não me abraças novamente. 
Sinto-me carente... e ao mesmo tempo... tão só.
Dói-me cada dia que passa, cada segundo em que calo, em que te ouço. No meu imaginário. Ou então naquele sonho de acreditar que ainda voltarás a esta casa.
Sabes... 
Sem ti tudo parece mais vazio, tudo parece sem cor. Sem sentido. Sem... vida.
Dói-me querer viver mais e saber que não é permitido. Tu já partiste! E eu, eu fiquei,,,
Talvez para continuar aquilo que sempre foste, ou para te lembrar como sempre te lembraste de mim.
É isto que é amor... amar quem parte, e ficar à espera de quem partiu.
Mas fica a saudade...
E essa não se apaga, e essa não vai embora, e essa não se esquece de mim. 
E eu não me esqueço de ti. 
E amo-te... desde que te senti nos meus braços.
Desde o primeiro dia...




Comentários

  1. Revejo-me em cada palavra deste texto...3 anos passaram e eu continuo a sentir uma dor que já não dói mas que se mantém marcada como uma cicatriz dentro de mim...dói numa saudade imensa, num filme de recordações e memórias de uma linda história de amor...a nossa história!

    ResponderEliminar
  2. Eu sinto o que escreves porque a minha dor está nas tuas palavras que escreves te.

    ResponderEliminar
  3. Doi a cada dia que passa, muita SAUDADEEEEEEE

    ResponderEliminar
  4. Se eu pudesse reinventar o tempo voltava de novo a ser o filho que te chamava ...Mae..Mas não posso reinventar , nem o tempo a nem a Mae !Resta-me ter-te aqui teimosamente pintada nesta saudade que nunca acaba...Nunca, nunca...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário