"A morrer de saudades"

Trocava tudo por um segundo só nosso. Por um toque em que o meu corpo sentia o teu, por um tempo em que o meu coração se enlaçava no batimento… do teu. Sinto tantas saudades, tantas que o meu peito explode de vontade, que o meu rosto conhece as marcas das lágrimas que escorrem – mesmo sem eu querer. Hoje, trocava tudo de mim só para sentir o teu abraço, para me perder nos teus olhos e para beijar-te… como se o mundo terminasse naquele mesmo instante. A verdade é que as horas já me doem, e que os dias não passam e eu aqui estou… nesta vontade que não se apaga, nesta paixão que só te procura, neste meu amor que não consegue deixar de crescer. Trocava tudo… tudo por um segundo de verdade, pelos nossos abraços em que nos amamos mesmo em silêncio, pelos nossos silêncios em que nos confessamos sem que sejam necessárias palavras. Sinto falta de ti, uma falta que não se apaga, uma falta que só se ateia – mesmo que eu minta a mim próprio que irás entrar naquela porta amanhã. Não consigo mais mentir… mentir que a distância não me sufoca, rir para que não conheças as minhas lágrimas, não consigo mais… sentir-te tão longe de mim. E quando te digo que tudo trocava, trocava sem sequer me arrepender. Porque o meu único arrependimento é não fugir, é não partir para te ter todos os dias em mim, para te dar todo o cuidado que precisas, todo o amor que mereces. Por isso, vê se me seguras hoje, porque eu sinto-me tão pouco eu ao não ser teu. E tu… tu enganas-me com sorrisos e eu sei que sobrevives assim: a morrer de saudades.


Comentários

  1. realmente intenso. gosto de intensidade, gosto de paixões avassaladoras. gosto e me arrepiar com as palavras, sinto a dor do outro. parabéns poeta, lindo de morrer.

    ResponderEliminar
  2. Sem mais palavras. . .adoro!

    Impressionante como espelha a minha saudade também.

    Abraço
    Luísa

    ResponderEliminar

Enviar um comentário