"Amo-te desde que me conheço"

Há vezes em que queria dizer-te mais mas... não consigo.
O meu sentimento é maior que todas as palavras que te possa sussurrar,
Que todos os poemas que te possa escrever - sabendo que sentes cada linha,
Cada frase que fala de tanto daquilo que vivemos: os dois.
O amor que sinto em mim, aquele que sinto por ti (sem negar),
É tão imenso que... mesmo que te desse o luar, seria tão pouco,
Tão louco que, jamais, saberia dizer-te tudo o que tenho em mim.
Amo-te desde que me conheço, ou então desde que reinventaste o homem que sou,
Desde que o desejo se formou, para lá do corpo, para lá da roupa espalhada pelo chão,
Dos risos cúmplices e das juras de ficar para lá das horas em que nos entramos:
Por completo!
És muito mais do que aquilo que julgava divino, és quem chegou, entrou,
E revirou a minha vida. Fizeste do meu coração a tua morada e eu, eu rendi-me!
Rendi-me para ser quem nunca fui, para conhecer tudo o que não sentia em mim,
Nas horas vazias da madrugada em que desenhava-te em sonhos: tão meus. 
Hoje, não!
Hoje, sei que todas as nossas imperfeições se conjugam na perfeição,
Que somos errantes, que somos amantes, que somos bem mais que a soma das nossas duas partes. Sei que somos amor, ou então mais do que ele.
Sinceramente, não sei o que somos, mas isso também não me interessa porque...
Somos felizes, e isso chega-nos.


Comentários

  1. Maravilhoso! Um poema que nasce do fundo do coração, da alma. Um belo hino ao amor, poético e sublime. O amor, sempre e para sempre o Amor! Bjusssss

    ResponderEliminar
  2. adoro a parte do "Amo-te desde que me conheço" :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário