"Melodia"

Vem... enlaça-te no meu corpo e dança ao som da melodia,
Do batimento dos nossos corações que se expressam em sintonia,
Na magia dos sonhos em que embarcamos, 
Fazendo do nosso âmago a carne vivida do desejo que sentimos.
Ouve-me... ouve o som que emana do meu peito,
Deste sentimento refeito que coloco nas palavras que te escrevo,
Nos versos mudos e calados - sussurrados ao teu ouvido.
Embarca comigo... nas ondas deste meu oceano de vontade,
No som que arde à clareira do destino que se trespassa em saudade,
Fazendo de nós complementaridade
(compassos perfeitos que se conjugam, em canções).
Revolta-me! Seremos muito mais que multidões,
Que batutas pujantes que marcam o tempo, que alcançam o firmamento,
De quem se entrega ao amor - como verdade vivida, por completo.
Então vem... vem, e ouve-me...
O meu peito será a caixa de música que te enche de vida,
Os tambores que ecoam na partida -
Na esperança de ser muito mais do que a morte,
De ser a eternidade de tudo o que somos,
De tudo aquilo por que lutamos,
Na melodia dos nossos corações... em poesia.



Não se esqueça de deixar o seu voto no poema "Não quero ser quem não sou!"
A sua ajuda é necessária. 
Para votar, apenas basta clicar no link que se encontra na barra lateral direita do meu blogue.
Muito mas muito obrigado. :)

Comentários

  1. Meu caro André os seus poemas são melodias que todas as almas apaixonadas dançam ao pôr do sol :)

    Inexplicável o que nos faz sentir.
    Boa semana,
    Abraço
    Luisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito mas muito obrigado por todo o apoio e por todas as palavras.

      Um abraço e votos de uma boa semana, Luisa.

      Obrigado por tudo. :)

      Eliminar

Enviar um comentário