Posso eu ser apenas teu...

Posso ser eu o vento…
Aquele que te oscula os lábios...
Que faz de ti um porto seguro...
Em que posso repousar – o meu coração.
Posso eu ser a imensidão…
De um abraço penetrante que te abraça...
Que envolve o teu corpo no meu...
Em sentimentos tão verdadeiros
(como o sonho que alcançamos, unidos).

Posso eu ser a simples melodia...
A expressão máxima do desejo...
De me perder no beijo…
Do teu olhar – tão profundo.
Posso eu ser o teu mundo…
O teu ponto de chegada...
Quem te ama sem mais nada...
Quem te ama na complementaridade de tudo…
Aquilo que és.

Posso eu ser apenas teu...
Sem me perder nos caminhos...
Nos quais me perdi um dia.
Em que tinha a minha alma vazia
(aquela que habitaste, em amor).

Posso eu ser fulgor...
Aquele que te envolve em fantasias...
Que rompe com as utopias...
Que faz de nós – amantes.

Podemos ser então errantes. Ou simplesmente,
Posso eu apenas ser eu.
Porque, sempre que sou teu,
Sou quem te ama para além do fim.
Sou quem te ama. Eternamente.


Comentários

  1. Está o céu aqui tão perto neste poema!
    Sou uma sortuda :)
    Muitos... mas muitos ... gosto!

    Fique bem!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito mas muito obrigado por todo o apoio e por todas as palavras.

      Um abraço e felicidades. :)

      Eliminar

Enviar um comentário