Grande Amor

Serei teu... sempre que o amor bater neste meu peito,
Sempre que a saudade habitar os meus braços,
E as minhas veias gritarem por ti -  nas poesias que te escrevo.
Serei teu... nas noites em que o desejo pedir para ser vivido,
Na nudez da minha pele que encontra alento na tua,
Na complementaridade do sonho que vivo...
A teu lado.

Serei teu... nas promessas rasgadas e nas juras que não faço,
Nos baraços que nos unem, nas cordas que nos entrelaçam,
No destino que nos cruzam - em oceanos de amor.
Serei teu... no melhor que tenho em mim e na voraz vontade,
De ser a metade que nos falta, de ser o tempo que não perdoa,
O que não vivemos com intensidade,
O que não damos... em verdade.

Sou teu... em cada ansiedade de te beijar,
De acreditar que somos mais fortes que o mundo,
Que somos bem mais altos que os homens - que somos eternos.
Sou teu... em cada ternura, na ausência da amargura,
De um passado esquecido. Perdido. Dissipado.
No fado que deixamos tocar enquanto nos amamos,
Enquanto nos damos - sem pudor de sermos apenas um.

Sou teu... nas horas mortas e nas linhas tortas,
Nos erros que cometemos e em tudo o que aprendemos - juntos.
Nas memorias guardadas, nas palavras confessadas,
No silêncio do nosso próprio olhar 
(naquele em que rompemos a distância e somos amantes).
Sou teu... como nunca fui de ninguém antes,
E antes de ser teu, tão pouco vivi,
Tão pouco um dia fui... porque não me tinha dado...
A quem amo - verdadeiramente.



Comentários

  1. Que belo poema!

    Está escrito com um sentiment que espelha o meu... se dúvidas existissem é assim que se ama.

    Parabéns por ser tão bom escritor.

    Tenha uma óptima semana.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,

      Agradeço desde já pelas palavras que me deixou e pelo sentimento que expressou ao ler o meu poema.

      Espero que tenha uma ótima semana.

      Um abraço e felicidades. :)

      Eliminar

Enviar um comentário