"Morte"

Sentia a minha pele ferida,
Gasta pelo tempo em que me esquecia,
De quem era. Do que tinha. Do que via.
O meu coração eram escaras,
Rasgos golpeados sem misericórdia.
Eram medos e temores,
Erros e pavores - eram... o escuro.

O meu sonho rastejava. Mendigava!
Um pouco de claridade para poder viver,
No meu peito adormecido,
No meu sono esquecido.
Eu era apenas... o silêncio.

O tempo esquecia-se do meu corpo,
Da minha alma ferida. Esquecida. Perdia.
Era tudo o que não era viver...
A dor. O incerto. O deserto.

Tudo era o que não era -  e eu...
Eu não era mais que nada.
O amor era terra árida e... de ninguém.

Hoje não! - Hoje não sou a sombra que um dia fui,
Sou o âmago renascido das cinzas,
Uma fénix que se abeira do sonho,
Que faz do amor a sua liberdade
(o hino da claridade do teu olhar).

E... amo-te,
Amo-te meu amor eterno,
Meu querer imortal - meu sonho e meu desejo,
Meu amor.. meu doce beijo.

Amo-te...
Em cada pedaço de mim que tornaste teu,
Fazendo de mim o que sou,
Tendo o que tenho - ao amar-te...
Para além da morte.

Black and White depressed sad lonely lake trees alone broken water dark nature peace forest calm relax chill rest upset sadness loneliness weather fog chill out foggy photohraphy Beautiness foggy day

Comentários

Enviar um comentário