"Haja o que houver"

Haja o que houver ficarei em ti, nesse teu corpo em que resfolgo,
Num coração onde existo – onde entrego o meu peito sem qualquer receio.
Haja o que houver… eu serei teu, por mais anos que pervaguem,
Por mais tempestades que conheça (sou apenas teu – teu… incessantemente).
Haja o que houver aguardo por ti, por mais que os segundos cortem e…
Que a saudade bata no meu âmago – bradando que sente a ausência do teu ser.

Serei teu… por mais que tudo passe, por mais que o mundo desabe,
Sei que o meu lugar é a teu lado, em cada sonho ansiado, em cada projeto,
Em cada sentimento – que nutro por ti (como forma de viver).

Haja o que houver, haja o que existir… saberei que é contigo que sou completo,
Que é no teu olhar que eu me perco e…
Que és tu e somente tu o meu porto-de-abrigo.
Haja o que houver… a meu lado não haverá perigo, o temor cairá nos nossos braços,
Nós seremos cordas e baraços - que nos unificam num só coração.

Haja o que houver… seremos paixão, a força voraz do sentimento,
O desejo ardente, o amor presente.
Seremos a eternidade de tudo aquilo que será…
 “Para sempre”.
















Comentários

  1. "Haja o que houver", o André será o meu poeta de caminhada...

    Obrigada,
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras e por todo o apoio.

      Um abraço e um bom resto de semana :)

      Eliminar

Enviar um comentário