"Clímax"

Agarro-te, matando o desejo que sinto por ti,
Envolvendo-te nos meus braços, em espasmos de prazer.
Mordo-te a pele enquanto te despedaço a saudade,
Numa cama retorcida pela tempestade – dos nossos corpos, em combustão.
Percorro o teu ser em ofegantes gestos,
Enquanto te contorces no meus braços,
Em clamores. Em olhares.

Perdemo-nos nas horas em quem somos chama,
Aquela que queima. Que flagra. Que refarta a vontade.
Rogámos ambos mais…
Somos loucos. Somos poucos. Somos apenas um!
Beijo-te vorazmente como se o tempo terminasse,
Como se o mundo desabasse – naquele mesmo segundo
(em que nos arrojamos um ou outro, selvagens).

Vivemos tudo a fundo e…
Queremos mais! Pedimos mais! Imploramos mais!
O momento corre e nós escorremos,
Em tudo o que damos, em tudo o que vivemos…
Matando-nos em desejos.
Amando-nos, imortalmente.

Comentários

  1. Muito boa essa poesia.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Nossa!!! Isso sacia qualquer mortal que se amem e entregam-se sem tabus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras Mônica. Um abraço :)

      Eliminar
  3. Lindo. ..lindo. ..lindo. ..

    mais palavras para quê é o Enorme Poeta a amar!

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado por todo o apoio e por todas as palavras.

      Um abraço :)

      Eliminar

Enviar um comentário