"Respiro-te para poder viver"

Não sei desde quando te amo, desde quando te sinto em mim,
Muitos antes da tua chegada ao mesmo destino, ao meu peito,
Em cada sentimento refeito – renascido ao sentir-te aqui.
Não sei desde quanto te pertenço, desde quando sou teu por inteiro,
Sem divisões nem intervalos – abraçando todo o amor que tenho…
Que te ofereço com todo o meu coração – aberto em gritos.

Não sei  deste quando te sinto, mesmo não vislumbrando o teu rosto,
Em toques e cúmplices olhares - como aqueles que me fazes, em segredos.
Não sei desde quando te amo, muito para além do conhecido,
De tudo o que era palpável e que eu não sentia, de tudo o que vivia…
Não vivendo ao não te ter – em cada pedaço daquilo que chamo amor.

Não sei desde quando te amo e tão pouco me importa saber,
Sabendo que te amo sem qualquer medo nem barreira
(nem sinal de resistência – entregando-te tudo aquilo que sou).
Não sei desde quando te sinto e… não minto ao amar-te,
Em cada forma de arte – daquela de te tocar o corpo, beijando a alma.
E…
Não tenho calma, quando temos tudo para viver,
Porque posso amar-te mesmo sem saber mas…
É sabendo que amo, que te respiro para poder viver.



Comentários

Enviar um comentário