"Toca-me o peito. Despe-me a alma."

Toca-me o peito meu amor... despe-me a alma,
Revolta-me no teu amor - faz-me pertencer-te.
Permanece no calor da nossa paixão - a chuva cai lá fora
E o frio dissipa-se no calor dos nossos corpos, no entrelaçar das nossas mãos
(dos segredos que confessamos no silêncio, do olhar...).

Toca-me a alma e beija-me...
Apenas te peço que me ames nesta cama,
Nesta revolta tempestade que troveja dentro do meu peito
(do meu âmago que se consome em desejos saciados - a dois).

Toca-me... o coração,
Liberta-me da saudade que sinto da tua presença,
Nas minhas mãos que procuram as tuas - apenas as tuas.
Toca-me e envolve-me,
Na verdade que temos em tudo o que damos,
Em tudo o que não negamos - ao amar-nos assim.

Toca-me e evolve-me,
Envolve-te e devora-me,
Pertence-me enquanto te pertenço,
Enquanto sou teu... ETERNAMENTE.


Comentários

  1. Meu Deus é mesmo lindo tudo o que escreve!
    Anseio todos os dias por este momento enriquecedor de alma!
    Trio perfeito.
    Obrigada

    Uma boa noite! :)
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas suas palavras e simpatia.

      Um abraço e boa noite :)

      Eliminar
  2. Escreves mesmo bem, adoro os teus textos, continua...

    ResponderEliminar
  3. Plausível. Claramente, sentimentos dissolvidos em frases e versos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário