"Rouba-me... meu amor"

Rouba-me o tempo, o tempo em que não te tenho,
Nos meus braços, no meu corpo,
No meu sonho… meu amor.
Rouba-me daqui, arrasta-me e gasta-me,
No amor, no nosso amor,
Naquele que vivemos – somente os dois.

Rouba-me amor… do nosso esperar,
Da vontade que me corre nas veias,
Que se incendeia em fogueiras,
Do nosso amor, do meu amar.

Rouba-me da saudade de tudo aquilo que arde,
Na falta de ti, aqui, nos meus braços,
Naqueles em que sou teu,
Em que sou nosso
(Sabendo que a eternidade existe: a teu lado).

Rouba-me! Rouba-nos!
Do mundo que fala de amor sem amar,
De quem não sabe olhar,
De quem não vê como nós vemos.
Amor… rouba-me de mim.

Rouba-me o tempo e apenas isso,
Rouba-me de tudo o que tenho,
De tudo o que te dou em segredo,
Num beijo sem medo – em que te beijo a alma.
Rouba-me sem calma e não me pares de roubar,
De tudo aquilo que existe para além de nós.
Amor… Rouba-me o coração.


 

Comentários

  1. Estou absolutamente vidrada na sua poesia!

    Boa noite,
    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado por todo o apoio e carinho.

      Um abraço e votos de uma boa noite :)

      Eliminar

Enviar um comentário