"Tudo o que não era... sem ti"

Já vivi num rumo que nem rumo tinha,
Nas ruas gélidas em que as calçadas choravam na saudade,
Em que era um homem feito de metade - repleto de nada.
Já conheci a ausência de amor, o engano, o medo,
O temor de permanecer na solidão 
(Naquela que me roubava a vida - que não me falava de ti...).

Já desisti, esqueci-me de mim e entreguei o meu ser ao choro,
Às lágrimas que me escorriam pelo rosto,
Despedaçando a alma de um âmago que nem sentia...

Já parti um dia, pensei não ser mais que um corpo,
Que um individuo louco - que sonhava que o sonho...
Poderia ser real.

Já vivi um sentimento banal, um querer sem querer,
Um viver sem viver.
Já fui tudo o que era não ser,
Já fui a ausência quando não te tinha do meu sentir.
Já nada fui...
Mas...
Contigo agora tudo sou.

Amo-te.


Comentários

  1. O poeta completo...

    Óptimo domingo,
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só tenho a agradecer por tudo.

      Resto de um óptimo fim-de-semana.

      Abraço :)

      Eliminar

Enviar um comentário