"Revoltos em paixão"

Envolve-me em entropias de amor, em fantasias de aspirações sonhadas,
Geradas em corações latentes – capazes de revolver o mundo
(Revoltando-nos em paixão).
Outorga-te no meu abraço, nos braços que firmam o teu peito,
Que te incumbem sem qualquer sentimento refeito – que reflorescem: ao te amar.
Envolve-me nos teus ósculos, nas juras de amor perene em que dou tudo de mim,
Em que sou teu sem pejos – vivendo no mais puro acto de êxtase
(aquele que não frui: termo).

Revolta-me os sentidos, roga que te ame, que te seja fiel,
Eu tombarei nas tuas seduções, serei o homem que te aspira,
Por mais que as horas pervaguem, por mais que os corpos avelhentem,
Por mais tempo que viva na nostalgia - do teu advento tão expectável: ao meu âmago.

Sê tudo aquilo que me escasseia, a metade de mim largada ao Mundo,
Sê o meu afeto mais profundo – a robustez de lutar pela infinidade: do amor.
Pertence-me por favor, fica em mim para bem de tudo o que sou,
De tudo o que um dia o meu ser se tornou – ao viver-te... em mim.




Comentários

  1. Caro André, os seus poemas são perenes na minha memória!

    Um óptima terça feira

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,

      Muito obrigado pelas suas palavras sempre simpáticas.

      Votos de um bom dia :)

      Eliminar
  2. Perfeição - esse poema! : )
    www.escritoraadriana.com
    Beijos *******

    ResponderEliminar

Enviar um comentário