"Mata-me em desejos"

Ama-me! Apenas ama-me nas horas em que procuro pelo teu corpo na minha cama,
Pela tua alma no meu âmago, neste pulsar descontrolado de um peito, que te ama.
Ama-me, nos espasmos que ficam, nas horas em que o sono não vem,
Revirando-me, remexendo-me, recordando-me de cada momento que partilhamos: os dois.
Ama-me nas palavras que grito sempre que as minhas veias pulsam,
Sempre que o meu sangre brota, escorrendo pela minha pele (clamando o teu nome...).

Ama-me...
No desejo, neste querer que não controlo, nas fantasias em que assolo, 
A tua presença no meu instinto mais selvagem - na liberdade da paixão que sinto.
Ama-me, ama-me que eu não te minto,
Enquanto grito em gemidos de prazer, enquanto sou teu - sou TEU sem nada perder.

Ama-me... no agarrar da carne, no cravar do desejo,
Ama-me num só beijo, devora-me em anseios, ama-me em devaneios...
E depois... continua a amar-me, nos lençóis em que nos embriagamos de amor,
Em que somos um do outro sem temor, em que nos matamos... em paixão.





Comentários

  1. "instinto selvagem" de amor de perdição...

    Muito bom.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Texto maravilhoso! Adorei as imagens dos beijos. Deliciaaaa hehehe

    ResponderEliminar

Enviar um comentário