"Entropia"

Vem! Envolve o meu corpo em entropias, em eternas histerias – provocando-me o desejo.
Rompe-me em beijos, em fortes anseios que me façam querer provar-te.
(No sabor agridoce das nossas almas, envoltas em perpetuidades.)
Entra neste meu mundo, neste sono profundo em que me estiro. No decompor do mundo,
Em que desabo em fantasias, em utopias (que rasguei ao vento).
Arde com a minha pele, com o meu peito pulsante que bombeia sentimentos.
Que faz o meu âmago voar em saudades (naquelas em que somos unos: em segredo...).
Leva-me nas tuas mãos, todo o meu sentir pertence-te. Desde a primeira hora em que senti,
Que, tudo o que há em mim, é teu… somente, teu.

Vem! Enlaça-te neste destino que agoniza a tua chegada a esta morada.
Ao contar de vidas em que padeço, em que tropeço em enganos – enganando-me não te amar.
(Desconfessando-te que parti, para longe de tudo aquilo que somos.)

Rouba-me do medo, revolta-me em oceanos agitados – movidos pelo nosso amor.
Enfeitiça-me em magias que me lanças, prende-me em promessas não feitas.

Eu, eu apenas serei a continuação de nós, a complementaridade da imperfeição que somos.

Serei, somente, nosso…




Comentários

  1. "E eu serei apenas a continuação de nós, a complementariedade da imperfeição que somos" Perfeitooooo, André!
    www.ruadireita.com

    ResponderEliminar
  2. Sempre a entropia da vida e do amor...
    Está perfeito!
    Dia feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras, sempre simpáticas.

      Votos de um bom dia :)

      Eliminar
  3. Começam a faltar palavras para elogiar o teu trabalho, as tuas palavras emanam uma magia e sentimento especial. Parabéns pelo excelente trabalho :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  4. Só muito recentemente descobri este Blog. Está fascinante. Parabéns! Excelente dia.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário