"Amor Eterno"

Promete-me que ficarás, que não vais com a fraqueza,
Que não percamos a firmeza - deste sentimento tão nosso.
Espera-me no mesmos sitio onde me viste fugir,
Naquela curta viagem em que tive de seguir
(Perdendo-me em lágrimas... que nunca tiveram sentido...).

Promete-me ficar, no meu peito que te entrego,
Num amor que não nego - deixando-me cair
(Para lá do nosso sentimento que cresce em cada respirar...).

Espera-me, com o sorriso que me fascina,
Naquele olhar que se ilumina, e que me fez amar-te
(Em eufemismos de vontade, em vorazes batimentos...).

Promete-me que ficarás eternamente no meu peito,
Fazendo de mim o teu eleito - com quem um dia irás padecer.

Espera-me... apenas espera-me, na complementaridade,
Na nossa chama que arde - no nosso refúgio dos sentidos.

Eu voltarei... para os braços de quem me entreguei.
Promete-me, somente, que me esperas... Porque eu prometo-te a infinidade,
Deste amor que nunca morrerá, em mim...



Comentários

  1. em especial e em jeito de admirar este poema. Há quem consiga achar um espelho e é preciso acreditar que se ama com a força do coração.

    ResponderEliminar
  2. Lindo de morrer!
    Confidência? Tenho pavor de promessas...

    ResponderEliminar
  3. Encantamento!
    Um óptima noite.

    ResponderEliminar
  4. A paixão que sinto pela sua escrita é superior a qualquer paixão carnal que tenha até hoje vivido. Cada toque de cada palavra...
    Obrigada (André) correcto?

    ResponderEliminar
  5. sem discrição... não tenho palavras... perfeito... :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado Maria, pelas palavras e pelo apoio.

      Um Abraço :)

      Eliminar
    2. sempre... Dar valor a quem o tem e principalmente a quem o tem... :)

      Eliminar
    3. Mais uma vez agradeço a sua simpatia, tem sido incansável no seu apoio.

      Votos de continuação de um ótimo dia :)

      Eliminar

Enviar um comentário