"Unos Batimentos"


Nem em sonhos sonhei, em fruir-te nos meus braços. Em firmes sentimentos.
Como aqueles que nos envolvem, em perpetuidades de amor. (Em desejos… saciados.)
Pudesse eu correr o mundo, que acabaria sempre por tombar nos teus braços.
Neste porto de abrigo, em que fundeio o meu coração. Dando-te tudo aquilo… que sou.
Vivo-te para além do homem que me tornei. Para lá das horas, em que findava na saudade.
Em que compunha ao vento. Esperando que lesses, todo o sentimento que medrava… em mim.
Hodiernamente sei, que somos complementaridades de um mesmo ser.
Corporalidade viva, em paixão pulsante. Expressa, em eufemismos de voracidade.
Como aquela que se revela, ao olhar que não mente. Aos beijos que repartimos.
(Prometendo voltar, para os braços de quem pertencemos. Mesmo sendo… livres.)


Amo-te então, desta forma voraz. Capaz de me arremessar a razão. Caindo… em ti.
Nas horas tardias da madrugada, em que sonho connosco. Na acoplagem dos nossos corações.
Das palpitações que sentimos. (Dividindo o físico. Como fragmento de um amor… em ereção.)

Agora... apenas, aguardo-te. Mais uma vez. Na imortalidade dos meus batimentos cardíacos.
Que ecoam o teu nome por estas paredes, em que rabisco vontades. Na pele que te pertence.
Na alma que se estira na tua. Fazendo de nós… apenas um só ser.
Pedaços unos, de uma só carne…




Comentários

  1. Intenso, viciante... lê-lo é um prazer...o seu amor é espelho de alma mesmo!

    Desejos de uma noite em que os sonhos voem alto!

    ResponderEliminar
  2. http://2.bp.blogspot.com/-7sQ8ZKIKe8Y/U-azb2q4aGI/AAAAAAAACBI/2xoIAKoPkg0/s1600/fernando1.jpg

    ResponderEliminar
  3. Bastante tocante, é apaixonante a forma como escreves. Passa pelo meu blog
    http://altaclasse.blogspot.pt/ segui :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário