"Um mesmo mar"

Por mais vidas que possa viver, sei que irei sempre te amar. Em cada respiração do meu ser.
Que irei pertencer, àquilo que és... para mim. À utopia quebrada em que agora, acredito.
(Nas noites em que chamo o teu corpo, junto ao meu. Em eufemismos de amor.)
Por mais tempestades que surjam, por mais barreiras que me alcancem.
Sei que continuarei a sentir-te. Como carne viva, como sonho real. 
(Aquele que aprendi a sonhar, depois de irromperes... o meu peito.)
Vivo contigo no pensamento, nesta pele que te sente. Num sentimento tão ardente.
Como aquele que partilho, a teu lado. Em pulsações sentidas, deste meu amor... tão teu.

Almejo-te nos meus braços. Em compassos descompassados, que me ateiam a vontade.
Esta ânsia de te beijar. Para além da alma. (Que te entrego sem qualquer... medo.)
Num segredo que te conto ao ouvido. Deixando todo o meu âmago, desnudo ao teu olhar.

Envolve-te nesta noite, nos meus braços. Permanecendo mais um tempo em que... o tempo, se esgota.
Na vida que enlaçamos, em promessas tão nossas.  Em juras de nada jurar. 
Dando tudo o que somos. Vivendo tudo o que temos... em Nós...



Comentários

  1. Again... i'm beaten down with your lovely text!

    Have a nice sunday.

    ResponderEliminar
  2. extraordinário texto como sempre, é uma delícia ler as tuas palavras!

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário