"Aquelas palavras..."

Se em sonhos te sonhei, hoje… durmo a teu lado.
Na pele que se funde, em poemas que te escrevo.
À clareira de um fogo que arde. (Ao nosso olhar que refulge: na escuridão.)
Nem em sonhos indaguei tal amar, tal amor que me arrebata o peito.
Neste mar revolto, em que tombei. Quando me entreguei nos teus abraços. (Sem temor.)
Revolto-me em eufemismos sentidos. Em oceanos, que me dissipo.
Encontrando-me na ânsia, que se vê nascer. Naquele em que renasço… novamente em ti.
Deixo-me emergir, nas promessas que não me fazes.
Nos olhares subtis. Que enfeitiçam o meu desejo. (Que me fazem querer-te… a toda a hora.)

Rompe comigo a barreira temporal, de um tempo que padece em nós.
Somos imortais! Nada importa a não ser a eternidade…  que procuramos.
Os desejos que partilhamos. (No segredo deste amor que dividimos: a dois.)
Deita-te a meu lado. Hoje veremos as estrelas com os olhos, que nos alimentam a alma.
Aquela que te desnudo em silêncio.

Porque o nosso amor, não carece de palavras.
O nosso amor, simplesmente… sente-se…



Comentários

  1. Soberbo!
    "o amor não carece de palavras, o amor simplesmente... sente-se...", das frases mais bonitas de quem ama/sente intemporalmente!

    Uma noite cheia de estrelas :)

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Obrigado, obrigado de coração todas as palavras que, diariamente, me deixa.

      Tenha uma óptima noite :)

      Eliminar

Enviar um comentário