"Sinais"

Desejo-te... não nego. Desejo-te com uma veracidade intensa,
Dispersa, presente. Agarrada a mim mesmo.
Desejo-te como imagem translucida, como clarão em noite quente, de vontade.
Como calor presente, em sonhos que sonho... contigo.
Não te quero como amante, dos meus caprichos,
Como corpo sem mente, como mente sem sentimento.
Quero-te! E, querendo-te, não te desejo apenas em carne.
Desejo, sim, o teu coração, aninhado no meu, no dialecto das nossas frases.
Na intempérie dos sinais que são largados ao vento,
(Percebidos por um intelecto, que faz parte de nós.)
Quero-te! Não de hoje e muito menos do dia de ontem,
Não sou de fracos amores, de efémeras paixões.
Sei bem o que é esperar, o que é guardar, o que é cuidar.
De cada memória que me assola a alma,
De cada vontade que torna tudo meu. (Nem que seja por breves instantes.)
Desejo-te, sim! Desejo-te pelo que és, por aquilo que me fazes ser.
No arrepiar da pele, na vontade de ser o teu homem, na vontade de amar-te…
Por isso sei que, depois de estarmos juntos,
Podemos sempre seguir os nossos caminhos,
Continuando a pertencer ao mesmo lugar,
Ao mesmo destino,
Ao nosso único coração...


Comentários

  1. Emocionei-me!
    Obrigada por tão belas palavras... : )
    www.escritoraadriana.com

    ResponderEliminar
  2. Não consegui resistir, estou viciada nos seus post's (muito mais do que textos)... Amei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que seja um bom vício.
      Muito obrigado pelo seu comentário.

      Tenha uma boa noite :)

      Eliminar
  3. Precioso coñecemento do amor nas distintas fases que el ten e que todas son, amor, ese grande amor das persoas, da vida. Grazas.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário