"Desdigo"

Amar-te-ei sempre, sempre que o silêncio vier e eu fugir de mim,
Amar-te-ei, nas horas mortas em que morro na saudade,
Em que te procuro em mim, na minha insanidade,
Amar-te-ei calado.
Amar-te-ei, nas ruas em que ando procurando o teu ser,
No escuro da noite e na luz que faz-me te querer,
Amar-te-ei nesta vida,
E em tantas outras que me esqueço de contar.
Amar-te-ei com todo o meu coração,
Sem que nada, nem mesmo tu, sejam em vão,
Amar-te-ei no fugir de mim mesmo,
Amar-te-ei como nunca amei ninguém.
Serás amor daquele que nunca irei esquecer,
Alguém que em mim entrou e me fez conhecer,
Irei sempre te pertencer,
Mesmo que nunca confesse tal amor.
Amar-te-ei para bem de mim mesmo,
Amar-te-ei mesmo que te minta,
Que te esconda, que te negue,
Amar-te-ei, apenas irei sempre te amar.
Amar-te-ei naquilo que de melhor sou,
Neste homem que sempre te sonhou,
Amar-te-ei agora e, sobretudo, amar-te-ei durante toda a minha vida,
Mesmo que um dia te veja ir naquela inevitável partida.
Não te esqueças que te Amo...






Comentários

  1. A tua escrita nunca desilude, bem como as músicas que a acompanham. Adoro Birdy :)

    ResponderEliminar
  2. Ai, adoro, adoro tudo!
    A tua escrita, a musica *-*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário