Roubas-me a razão...

Sinto-te para além de mim, na extremidade dos meus dedos, na força voraz que me assola nas noites em que me invades, em que me ateias, em que me incendeias. És pura imaginação, devaneio do meu corpo, da minha vontade, daquela que me faz ver que nunca serás metade, que és o todo do meu sentir. Preenches a minha imaginação, a noção perde o sentido e deixo-me ir na presença do teu ser, nesse teu corpo que me faz tremer, nesse sorriso que me faz correr. Procuro-te bem perto de mim, procuro-te num infinito de letras, numa continuação sem noção de um louco que sou quando penso em ti. És o beijo, o abraço, és uma corda ou um baraço, és talvez o que sempre quis, uma descoberta feliz e um momento que não perdi por um triz. És o meu acreditar, o devaneio que me faz acordar, corres em mim, despertas-me assim, crias tanto e és tanto de um tanto que vejo em ti...



Comentários

  1. Muito bom!!! Não sei o que diga, és fantástico a escrever... Prendes me todos os dias, posso ate não comentar todos os textos, mas leio-os com o maior prazer. Prazer em ler, é o que sinto cada vez que venho aqui, é sempre maravilhoso ler-te. Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário